Escolhi ser Mãe este ano, … e foi a melhor decisão que poderia ter tomado. Sou Terapeuta da Fala há 5 anos e vivo no “maravilhoso” mundo dos recibos verdes desde então! (Contrato? Que palavra tão estranha, até para mim que diariamente lido com linguagem!)  Nunca conheci outra realidade que não esta. A realidade do “estar sempre disponível”, das 8:00 às 21:30 (isto sem contar com o trabalho em casa, por vezes até às 3:00 ou mais), do viajar de um lado para o outro sem dar descanso ao carro, das horas estranhas de almoço e todas essas trapalhadas a que um dito “trabalhador independente” se sujeita. É isto, … ou melhor, era!

Pois bem, ao fim de todo este tempo sem que, por mais que tentasse, alguma porta se abrisse, decidi que estava mesmo na hora de ser mãe. Deixei de lado a ideia da estabilidade financeira e profissional, pois a minha própria estabilidade emocional começava a dar de si. Tudo o que consegui foi por mérito próprio, sem dúvida, … mas nunca tive o chamado “golpe de sorte” que algum dia todos esperamos, e isso deixa-me com uma tristeza imensa. Muitas lágrimas derramei e derramo por isto mesmo… a revolta é muito grande! E chegou o momento em que queria mais, queria algo em que pudesse ver o meu valor reconhecido, já que na minha área profissional nunca mo deram verdadeiramente. E assim, no dia 12 de Dezembro descobria (ou melhor, confirmava!) que ia ser MÃE!

Esta mudança foi sem dúvida das melhores da minha vida. Finalmente teria algo para me poder dedicar de corpo e alma, ainda mais, integralmente, com tudo o que tenho de melhor em mim, com todas as minhas forças e sentimentos. É assim que gosto de estar na vida, em tudo em que me envolvo. E nem imaginava que poderia ser ainda melhor do que eu já pensava e esperava à partida!

Com tanta correria de um lado para o outro e com os horários malucos que fazia, antes e durante a gravidez,  pensei para mim mesma que faria deste tempo uma espécie de “teste” para ver como seria a minha vida profissional e pessoal no futuro! E mesmo quase no final da gestação, e com alguns pequenos sustos pelo meio, decidi que daria ainda mais enfoque ao meu papel de mãe. Assim, de entre os 7 ou 8 sítios em que trabalhava (ou melhor, em que corria de um lado para o outro como barata tonta), decidi que deixaria 4 ou 5 deles. Não, não estou a abandonar de forma nenhuma a minha profissão, (nem “carreira” lhe posso chamar!), estou sim a dar à minha filha o espaço e a importância que ela merece.

Assim, manterei dois locais de trabalho e continuarei a fazer o que realmente gosto: ser Terapeuta da Fala, mas mesmo assim, ter tempo de qualidade para a minha pequenota. Devo-lhe isso, com tanto de bom que ela me proporciona! Hoje tenho ainda mais a certeza de ter tomado a melhor decisão! É claro que me custa imenso quando me ligam a oferecer trabalho/casos para intervenção… sinto-me bem e mal ao mesmo tempo. “Bem”, porque vejo o meu nome e o meu esforço dos últimos anos reconhecido, todo o mérito do meu trabalho, do meu empenho e dedicação. “Mal”, porque parece que só agora surgem algumas oportunidades, mas que mesmo assim seriam “mais do mesmo”. Sinto-me como se não estivesse totalmente a recolher os frutos do trabalho que desenvolvi… mas a decisão está mesmo tomada, e tenho a certeza de que é a melhor. A minha pequenota merece tudo, merece-me por inteiro na vida dela!

Anseio que este tempo me faça crescer ainda mais, como mãe e como profissional… que mature tantas ideias esquecidas e guardadas na gaveta há tantos meses (e anos, mesmo!). Que seja o início de algo muito bom, algo que já é tão bom apenas em poucos dias e meses. Acredito que assim seja! Espero poder descobrir a cada dia e partilhar com vocês a magia desta nova aventura, pois venero desde os primeiros dias a delícia que é ser mãe e amar um ser tão pequenino, tão puro e tão doce, que nos preenche totalmente apenas com um sorriso!

 

 


6 comentários

carlosamaralphotography · 16 de Outubro, 2016 às 0:38

Sinto que vai dar tudo certo! 🙂 Força!

    joanaaterapeuta · 16 de Outubro, 2016 às 1:35

    Obrigada! É bom ouvir e sentir as “vozes” da mudança! É isso que estou a tentar! Também espero que dê certo! Obrigada, mesmo pela força! 🙂

Rosa Santos · 29 de Junho, 2017 às 9:20

Olá joaninha…..
Tão lindas estas palavras…..
Tudo natural como sempre….um beijinho tudo de bom pela vida fora…..😘

    joanaaterapeuta · 29 de Junho, 2017 às 14:31

    Obrigada Rosinha! São palavras sinceras, vindas do coração, … foram escritas há uns bons meses, mas hoje voltei a relê-las e não mudava uma única vírgula… foi a melhor decisão, mesmo! 🙂 Beijinhos minha querida!

Ana Serrano · 13 de Fevereiro, 2018 às 10:43

Joana, realmente os nossos filhos são o melhor, e eles mais que ninguém merecem a nossa atenção, o nosso tempo. Muitas vezes temos de fazer escolhas e tenho a certeza que a Joana fez a escolha certa. Obrigada Por entrar nas nossas vidas, sobretudo na vida do Rafa.

    joanaaterapeuta · 13 de Fevereiro, 2018 às 12:37

    Oh!!! Ana! Que bom que seguem o blog, fico tão contente! Obrigada
    Sim, aquela foi uma escolha acertada, faria tudo outra vez!! Um grande beijinho e obrigada por tudo o que também vou aprendendo e crescendo com vocês 😊

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *