Mãe-terapeuta da fala ou terapeuta da fala-mãe?

Esta é a essência do blog: sou mãe, …sou terapeuta da fala! Antes de ser mãe, já era terapeuta, mas o papel de mãe é um dos mais importantes na minha vida! Sou mãe da Eva, quantas vezes “mãe” dos meus pequenos pelo amor e dedicação que lhes dirijo… é um misto de emoções! E por vezes é tão difícil dissociar estes papéis! Nas sessões, cada criança que acompanho vejo-a como sendo a minha filha! Sim, podia ser a Eva a estar daquele lado, a precisar de mim assim. Por isso não vacilo no carinho e atenção que lhes dou! Não há conta nem medida, apenas o objetivo máximo de lhes dar tudo o que daria à minha pequena. Só assim me faz sentido!

E depois penso na Eva a cada momento, na alegria que será quando chegar a casa no final daquele dia. O tempo que temos juntas nem sempre é na quantidade que eu queria, mas quando estamos reunidas, tento aproveitá-lo ao máximo. Cada segundo é “brincado” de forma intensa e divertida. Por vezes, é nas brincadeira com a pequena que me lembro de algumas atividades para os meninos que acompanho, … é com ela que várias vezes vejo o potencial de alguns materiais… e sabe tão bem! 🙂

Mas, na maior parte dos casos, é a pequena que se assume como cobaia! Acho que, nos últimos meses, não há material que compre que não seja primeiro testado por ela! Puzzles, encaixes, jogos, livros, … tudo! E não há feedback mais sincero que o de uma criança! Se a pequena ficar cativada, certamente as coisas vão correr bem quando usar aquele material nas sessões de Terapia da Fala.

Mas o inverso também acontece. E o que ela adora ir para o “quarto dos materiais”. Sim, terapeuta da fala que se preze tem o seu arem de jogos, a sua biblioteca pessoal, uma reunião infinita de cartões plastificados, … a Eva fica maravilhada! Sabe que lhe empresto os “materiais dos meninos da mamã”! E assim, aos poucos, lá vai percebendo que devemos partilhar, … que as coisas são para ser estimadas! Não brinca com um sem antes ter arrumado o outro! Por vezes, dou por mim a fazer com ela algumas das tarefas que faço com os pequenos, e sabe tão bem sentir que ela também aprende comigo! 🙂

É mesmo uma ligação, um fio que não se perde quando nos entregamos com o coração! Por isso digo, sou mãe-terapeuta, mas também terapeuta-mãe! É um orgulho imenso ver a evolução da Eva ao nível da linguagem e saber que as estratégias que usamos e as atividades que fazemos para a estimular mostram resultados todos os dias! É bom partilhar com ela o meu dia-a-dia e poder sentir nos materiais que vou usando nas sessões um pouco da alegria dela, com as memórias que me chegam do dia em que ela me pediu “aquele” jogo emprestado! Obrigada filha, obrigada meninos do meu coração! Sou mãe, sou terapeuta da fala, … sou feliz! 🙂

 

2 comentários em “Mãe-terapeuta da fala ou terapeuta da fala-mãe?”

  1. Olá Joana 😊 desde que entrei para o mundo da TF que acompanho o seu trabalho! Hoje li o seu post e revi-me nele, ainda que em situações diferentes! Ainda não sou TF, está quase quase e também ainda não sou mãe! Mas tenho um primo que é a minha cobaia 😊😆 é ele que comigo experimenta os jogos todos e sabe que tem de partilhar e não estar! O pequeno já entra por casa a dentro e diz “prima posso ir brincar com os jogos dos teus meninos?” 😍 um beijinho

    1. Olá Marta, boa noite! Oh, tão bom! Fiquei tão contente em ler o comentário! É bom saber quem nos segue e quem está desse lado! Ainda para mais quando partilhamos paixões! Sinto que temos uma profissão repleta de magia, e esse brilho reflete-se nas pequenas coisas, tal como eu e tu partilhámos! 🙂 Trata-me por tu! Cá estarei sempre que precisares! Um grande beijinho e obrigada pelo teu comentário! Boa sorte e tudo de bom! 🙂

Leave a Reply