Esta é uma expressão que uso várias vezes para outras mães, quando as quero motivar ou fazer pensar no seu verdadeiro papel e valor. Para além de ser mãe e terapeuta da fala, como vos falava ainda no texto de ontem, sou também conselheira em aleitamento materno. Em todos esses papéis lido com mães e, muitas vezes, com mães no seu estado mais frágil e a necessitar de abraços, miminhos e palavras de motivação.

Não é fácil sermos mães e sentir que o nosso leite parece não satisfazer o nosso bebé, sentir que por mais que os ajudemos nos trabalhos da escola eles têm sempre algumas dificuldades. Não é fácil querer ser mãe a tempo inteiro mas ter que trabalhar porque os nossos filhos precisam de pão na mesa, ou ser mãe e sentir que por mais que estimulemos os pequenos, as palavras teimam em não surgir ou a fala deles coninua a parecer-se mais com chinês do que com o nosso português.

Esta é a minha realidade diária, sou mãe, lido com mães assim, mães reais, com preocupações, angústias, medos, mas que têm um coração carregado de amor, bem no centro do peito. Penso que seja esse o segredo para que nos mantenhamos sempre firmes, mesmo quando os ventos sopram contra e as marés teimam em nos fazer caminhar dez passos para trás no caminho de vida que sonhámos traçar.

Somos mães, somos guerreiras, … aconselho assim, tenho também para mim presente muitas vezes esta expressão. Sabemos que nenhum outro ser é mais forte e determinado que uma mãe. Ainda há dúvida que ser mãe é ser especial? Falo pela minha, pela que me gerou. Pela que me educou em valores nobres e puros. Por aquela que está sempre lá, mesmo estando ela tão frágil. É a voz que acalma e sossega, mesmo quando a sua própria voz parece tremer e vacilar. Tens sido uma guerreira e eu admiro-te tanto, tanto, tanto, … esta frase que tanto uso é sem dúvida uma inspiração em ti!

Mas agora eu também sou mãe, … MÃE! 🙂

E agora sinto e sei que ser mãe é…

Pensar nos pequenos a toda a hora, dentro ou fora de casa…

É pensar nas várias horas do dia e associar aos que os nossos tesouros estarão a fazer naquele preciso momento na creche, na escola, …

É ter forças para mais um dia porque sabemos que no final, estaremos novamente todos juntos, essa é a melhor recompensa.

É querer ir rápido para a cama para poder sentir o cheirinho puro e característico daqueles pequenos anjos que temos na nossa vida.

É sentir orgulho de cada palavra que lhes sai pela boca, … é vibrar quando os pequenos bracitos se abrem em forma de um abraço gigante para nós…

É passear com eles de mãos dadas na rua e querer que o caminho não termine nunca mais…

É segurar “naquela” mão tão pequenina e sentir que não precisamos de mais nada do mundo.

É andar há meses sem ter vontade ou tempo para comprar uma peça de roupa, mas querer comprar a primeira camisola fantástica que se vê numa montra.

É contar os trocos todos os dias e evitar ao máximo gastar dinheiro em coisas “não essenciais”, mas não se importar de levar um miminho para os filhos, seja um livro, um jogo ou mesmo uma revista do panda de vez em quando.

É comprar pastéis de nata em tamanho normal porque o pai adora, mas agora já começar a levar um em tamanho mini para a pequena.

É contar a mesma história vezes e vezes sem conta ou ver o mesmo dvd repetido todos os dias da semana, só porque é o favorito deles.

É chegar ao carro e ouvir logo as canções da Xana Toc-Toc ou dançar loucamente o “Doidas andam as galinhas” do Avô Cantigas, tanto como há uns tempos atrás dançava DZRT nos concertos.

É abrir os olhos todas as manhãs e ter vontade de agradecer por mais um dia, pelo motivo mais belo e singelo.

É achar que não é de todo um cliché quando dizemos que “os filhos são mesmo o melhor do mundo”!

É não esquecer “aquele peso”, “aquela altura”, “aquela hora” e “aquele momento mágico”.

É contar semanas na gravidez e meses nos primeiros anos de vida, quando todos os “comuns mortais” olham para nós em desespero e a fazer contas de cabeça.

É criar, inventar, imaginar a toda a hora, por eles, pela criança que há em nós.

É pensar que eles são ainda tão pequeninos, mas que o tempo passa a correr.

Ser mãe é tanto, … ser mãe é tudo! Ser mãe é poder todos os dias caminhar lado a lado com o melhor presente que a vida nos deu. Feliz Dia da Mãe (a vocês, à minha, às avós, às bisavós, … àquelas que o serão em breve e as que ainda guardam esse desejo para mais tarde). A ti, “mãe duas vezes”, também não te esqueço. Ser mãe é estar também sublimada, … é ser mais alta, é estar junto dos melhores… é ser memória, lembrança e aconchego. A ti, … por ti, … Feliz Dia da Mãe Avo P.!


1 comentário

carlosamaralphotography · 6 de Maio, 2018 às 9:42

<3

Leave a Reply

%d bloggers like this: