Disney Studios: dia 1 (Disneyland Paris IV)

Bom dia a todos os que têm acompanhado esta nossa aventura. Bom dia aos que se juntam hoje a ela. Estamos em Magny-le-Hongre, uma pacata vila, bem pertinho do chamado “Círculo da Disney” de Paris. Uma localidade tranquila, muito acolhedora.

Bem que queria ainda ontem ter vindo partilhar mais novidades e experiências com vocês sobre o primeiro dia na Disney, … mas o cansaço venceu-me! Uma dor de pernas gigante, e com as costas a condizer. Fartámo-nos de andar, e eu muitas das vezes com a pequena ao colo. Estava tão mimocas! Soube tão bem! 🙂 Contudo, é motivo para se dizer: cansados, mas felizes! 🙂

IMG_20190519_133707

O dia não podia ter sido mais cheio, mágico, … com suspirares a cada recanto. Cada personagem, cada pormenor, cada lembrança de infância, … a expressão da Eva… a reação às personagens e locais que ia vendo… Algumas vezes, sobretudo com os vilões e bruxas, julgo que ia sentindo algum medo. Bem que lhe dizíamos que eram apenas pessoas dentro de fatos, para ela não ficar aflita. Mas, sabem que mais? Penso que ela nem pensava nisso! Se nós já estávamos envoltos em magia, ela estava totalmente emersa neste mundo delicioso. Havia momentos em que nem falava, … mas olhar para os seus olhinhos brilhantes, a boca dela a abrir-se mais e mais de espanto, … os suspiros que iam saindo, e os que não saiam, dando apenas lugar a abanares de mão dizendo adeus, ou a abraços mais e mais fortes que nos dava, ao nosso colo… Indescritível!

Mas, vamos a mais algumas pormenores e dicas. Tinham ficado prometidos, e aqui vão!

1- A entrada no parque:

O acesso foi muito rápido e fácil. Não sem antes ser feita toda a verificação de segurança de pessoas e sacos, tal como no aeroporto. Depois, fomos trocar os nossos vouchers que tinhamos pré comprado pelo site Disney e entramos, diretamente. Com apenas uns segundos de fila, muitos sorrisos e expetativas, lá fomos nós.

Ao entrar, e por termos comprado bilhete de dois dias, para os dois parques, optamos por começar pelo parque que visitámos inicialmente: o Disney Studio. Tem menos atrações que o Disneyland Park e, por isso, começamos a visita por ele. A meio da tarde começamos por explorar o segundo.

2- As primeiras atrações

Em breve venho falar-vos de todas as aplicações para telemóvel que temos usado durante a viagem para nos facilitar a vida. Mas foi pela APP da Disney que nos fomos regulando em termos de tempo de acesso a cada uma das diversões, sendo que em cada uma delas esse tempo também se encontra afixado. Na aplicação podemos ver ainda quais os espaços temáticos existentes, os tempos de espera em cada um deles, … e nós começamos por andar no que estava dedicado ao Toy Story. Fomos também no tapete voador, com o Aladino, o Génio e a Jasmim!

Fomos vendo algumas personagens, com as quais era permitido tirar foto mediante reserva, também numa aplicação, mas essa opção não utilizámos. Há tantos locais pelo parque com desenhos, imagens e personagens que, só se quiserem mesmo, mesmo, mesmo, podem escolher essa opção. Existe ainda uma outra opção: o chamado Photo Pass, onde, por cerca de 75€ podem também tirar e recolher no final todas as fotos tiradas. Mas, gostando tanto de fotografia, acabámos por optar por ser nós mesmos os repórteres de serviço. Fica apenas a informação extra, para que, se quiserem, possam ir saber mais.

3- Obras no parque

Contem sempre que, dada a grandiosidade dos espaços, a quantidade de divertimentos existentes e todas as pessoas que passam pelo parque diariamente, se torna necessário fazer alguma manutenção frequente. Para grande pena nossa, o espaço dedicado ao Dumbo (no Parque Disneyland) e ao Peter Pan (no Disney Studios) estão neste momento em manutenção. Mas a verdade é que até aí eles fazem magia pois, ao redor de cada um dos sítios, colocam imagens deliciosas, e aí, mais uma vez, surge a hipótese de foto. Estas informações constam também da aplicação.

4- Comidinha para o dia

Tanto em casa, como para levar para o parque, temos optado, sempre que possível, por comprar e levar o que precisamos. Também sobre este tema vos darei mais novidades em breve, num texto apenas dedicado a estas escolhas mas, para já, deixo as dicas principais: comida caseira para a pequenota,umas sandes bem recheadas para nós, muita fruta e água. São os melhores segredos que possa partilhar com vocês! 🙂 Por lá, os preços vão variando muito, mas a verdade é que não fica barato. E só vos digo, hoje levamos ainda mais umas peças de fruta extra e mais uns snacks de frutos secos. Ao fim da tarde a fome apertou e menus base de 15 euros foram dos preços mais em conta que encontrámos. Snacks com bolachas a cerca de 3€ ou 4€ também vão sempre sendo avistados, mas, sempre que possível, quisemos evitar este tipo de comida.

IMG_20190519_151023

Parece ir carregado desnecessariamente, mas é certo que peças de fruta e sandes não pesam assim tanto, ainda por mais divididas por duas mochilas. E ao longo do dia, o peso vai aliviando! A entrada nos espaços de restauração vale, ainda assim, pela decoração mística e cuidada. Tudo pensado ao pormenor, e uma vez não são vezes, também sabe bem aproveitar. Ah, … as gofres deles são maravilhosas! Fica em cerca de 3,99€ e, por mais uns cêntimos, vêm cobertas com chocolate.

5 – Mais diversão e mais atrações

Uma das atrações que mais nos marcou foi a Casa do Ratattouille… tanto que hoje, se pudessemos e conseguissemos, lá iamos outra vez. Três crianças, autênticas! Para esta atração, com fila por vezes de uma hora e meia, conseguimos um Fast Pass de acesso… sobre eles também vos contarei mais algumas coisas. Vale a pena! Depois, os espetáculos temáticos que vamos encontrando, desta vez sobre os super-herois Marvel, … há para todos os gostos e idades!

Outra das delícias foi a Studio Tram Tour! Absolutamente fantástica! Uma viagem de autocarro “aberto” pela zona de “bastidores” do parque por que vale a pena esperar nas filas. Desde adereços de filmes marcantes como o Pearl Harbor, os 101 Dálmatas…, simulação de sets de gravação … os carros dos filmes, … e uma recreação fantástica com efeitos especiais. Sim, … sem dar conta, somos nós mesmo os personagens, com terra a tremer, fogo, objetos que parece que vão cair sobre nós, .. muita água, … teria um vídeo para vos mostrar, .. mas não o vou fazer, para que possam viver essa mesma experiência! 🙂

Um espetáculo de música vai acontecendo também várias vezes ao dia, com música Jazz. Vale a pena ver, … e a parada Disney? Bem, essa sem palavras!!! Terei mesmo de lhe dedicar um texto, só para ela! 🙂 Merece, acreditem que merece.

5- Vamos para o segundo parque

E terminada a visita ao primeiro parque, seguimos para o “Disney Land Park”. Por ser o maior, quisemos aproveitar o tempo restante para absorver tudo ao máximo. E só vos digo, a entrada é logo por si só maravilhosa. Jardins, água, … tudo tão bem cuidado. Parabéns a quem gere com tanto amor e carinho todo este espaço.

Foi aqui que vimos a “Parada Disney”: correu muito bem pois, mal chegámos, começamos a ver que estavam os seguranças a fechar o perímetro de segurança central. Confirmámos na aplicação e começava dali a meia hora. Então, mesmo de frente para o castelo, ali ficámos em espera, enquanto a Eva comia mais uma frutinha. Foi um vislumbre inesperado e arrebatador quando vimos o mítico castelo por entre todas as pequenas casinhas! 🙂

Depois a magia continuou. Entrámos no castelo, … mais lojas maravilhosas, sobre as quais também falaremos mais em próximas partilhas… vitrais com toda a história da Bela Adormecida, … a Casinha dos Sete Anões e da Branca de Neve…. do Pinóquio…. todas elas atividades em que, por sorte, tivemos pouco mais de cinco minutos de fila, e aproveitámos logo!

O dia terminou com a ida ao Carossel mágico, com cavalinhos… Digno de filme! Viemos para casa cansados mas tão felizes e com tantas memórias para guardar. Em breve contamos como foi o segundo dia pelo Disnelyland Park. Semana feliz!

Voos, alojamento e bilhetes (Disneyland Paris III)

Olá a todos! Já cá estamos, em terras gaulesas! E a verdade é que, mesmo sem termos ido já hoje aos parques Disney, o dia foi maravilhoso! Sem horas a cumprir, a não ser para os voos, … com calma, em família, fora da rotina do dia a dia, … mesmo gostando do que faço, e fazendo-o com o coração cheio, há dias que nos sabem bem assim… só, … simplesmente pela simplicidade e passividade.

Hoje foi um desses dias em que até a sesta dormi com a pequena, … e sabe tão bem, … oh, se sabe! 🙂 Tão feliz que ela ficou… e eu também, que aproveite o máximo os miminhos todos, todos, todos dela.

O dia começou cedo, … o voo estava marcado para as 8:25. Ainda era noite quando saímos de Coimbra. Logo ao chegar ao aeroporto a Eva começa a perguntar pelo Mickey e pela Minnie! Que alegria, que felicidade, … que despertar tão bem disposto e inspirador que teve. Há dias mesmo com muita luz, ainda que baseados em coisas tão simples como um sorriso… o melhor sorriso do mundo.

O voo foi tranquilo, não sem antes os estômagos serem reforçados pois, tal era a animação, que o pequeno almoço em casa reduziu-se a meia dúzia de trincas no pão. Ali, no aeroporto, tivemos mesmo de comprar alguma coisa. Julgava eu que só até completar dois anos se podiam levar líquidos para os pequenos, mas o que nos disseram é que o podíamos fazer até aos oito anos. Também na fila para a porta de embarque, até aos cinco anos, as nossas crianças são prioritárias. É sempre bom saber! 🙂

1

Tinha-vos prometido que contaria também como conseguimos voos, alojamento e bilhetes para os Parques Disney por cerca de 850€, … tudo o que, coincidentemente, tínhamos poupado… Os voos ficaram em cerca de 300€, mesmo tendo sido comprados há pouco mais de duas semanas. Felizmente, estamos ainda em época baixa, e aqui os preços que se conseguem são bem mais apetecíveis, mesmo com a Eva já a pagar. Viajámos com a Easyjet e não podíamos estar mais satisfeitos. Avião muito asseado, voo muito tranquilo, … a Eva colocou logo o cinto assim que entrou na cabine, … e pouco depois da descolagem adormeceu.

2

Para a casa, o melhor de todos os achados. Conhecem a aplicação AirBNB? Foi por aí que conseguimos um pequeno T1, por 221€, para o total das três noites! Obrigada pai Carlos, o melhor “agente de viagens” de Coimbra e arredores. Verdade!!! Uma pequena casa, num condomínio fechado, com parque de estacionamento e jardim privativo, com excelentes condições! Muito mais em conta que em qualquer hotel (sendo que, os que estão mesmo dentro do parque, podem chegar a ficar-nos em 4000€…isto é real!!!!!!).

Como nos registámos pela primeira vez na aplicação, conseguimos um desconto de 30€, o que foi excelente. Estamos muito contentes com a casa, muito limpa e confortável, com casa de banho, sala/cozinha, máquina de lavar, loiças, toalhas, … no quarto, para além da cama de casal há um beliche magnífico que mais parece um parque de aventuras, …tudo arranjado com muito amor, … e até aqui cheira a Disney, em toda a decoração. Amanhã partilho também esses toques deliciosos com vocês! 🙂

Assim, feitas as contas, vamos em cerca de 520€, com voos e alojamento. Para o parque, os bilhetes ficaram em cerca de 330€, dois bilhetes de adulto, para os dois parques, durante dois dias. E sabem que mais? Sabem o que nos fez vir nesta altura, para além de ainda ser época baixa? Descobrimos que, até aos três anos, as crianças não pagam! É mesmo! E como a Eva faz 3 anos de Julho, foi o tempo ideia! 🙂 E a verdade é que entre bilhetes de adulto e criança a diferença é pouca, apenas um cerca de 10/15 euros, por isso posso dizer-vos que poupamos cerca de 135€ com o bilhete da Eva, o que nos dá logo mais margem e à vontade para a alimentação e transportes, por cá!

Bem, e por agora, vamos ao descanso! Amanhã, o dia vai ser para andar imenso… vai haver muito para descobrir, muitos sonhos para sonhar, muitas memórias de infância para despertar e reviver! 🙂 Queremos aproveitar ao máximo! Queremos voltar a ser crianças, outra vez, com a Eva… com vocês! Hoje, o dia foi para chegar até à casa onde estamos hospedados, .. para conhecer a vila, para fazer algumas compras básicas, … descansar da viagem e das poucas horas de sono da noite anterior, … amanhã conto-vos mais novidades.

Como chegámos do aeroporto até ao alojamento, em cerca de 30 minutos? Porque escolhemos este local para ficar? Como nos estamos a organizar em termos de alimentação e mais dicas de poupança! Não nos esquecemos de vocês! Vamos partilhar mais alguns conselhos, … e queremos deixar-vos entrar um pouquinho no mundo de magia Disney! Prometemos algumas imagens cheias de cor e sonhos! Boa noite! Bom descanso!

Poupanças por um sonho… (Disneyland Paris II)

É verdade, estamos de partida, … falta tão pouqinho!!!! A pequena já dorme, mas a excitação era imensa… tanto tempo que levou a adormecer, … tanta expetativa, tantos sonhos, … O jantar foi passado a ver imagens dos parques que visitaremos, das atrações que queremos ver, … continuamos a planear tudo ao pormenor. Em breve conto-vos que aplicações estamos a usar, para assim vos ajudar caso nos queriam seguir os passos e entrar nesta aventura!

Como prometido, aqui venho eu contar-vos como fizemos as poupanças para esta viagem, … e como agora, no momento das reservas, nos custou muito menos na gestão do dinheiro mensal.

1 – Poupanças a longo prazo

Já há uns cerca de três anos que tínhamos uma pequena conta onde íamos somando alguns euros. Lembro-me que, numa outra casa onde estávamos, conseguimos negociar o valor da renda e a baixámos uns euros. Em vez de juntarmos o valor ao que temos disponível todo os meses, e sendo ele algo com que habitualmente não contávamos para outras despesas, foi logo sendo posto de parte. Só aí, penso que durante cerca de meio ano, um valor razoável foi junto.

Depois, íamos somando um ou outro valor das “notas pequenas”, mas que juntas se tornam grandes, dadas no Natal, aniversário e Páscoa pelos pais e avós. Mais um avanço!

Sempre que havia um ou outro dinheiro extra, com que já não contávamos, mas que por acaso conseguíamos poupar, com reparação do carro, por exemplo, ou outras despesas, ia também para esta conta. Sim, na altura poderia ter aliviado aquele mês, mas como já não contávamos com ele e estava para ali destinado, não sendo necessário foi mais um grão a juntar à tal conta.

Quando demos por ela, tínhamos cerca de 700€ de parte, ao fim deste tempo. Pelo menos, viagens de avião para os três e casa para os quatro dias conseguimos, e ainda sobrou algum para os bilhetes de entrada no parque. Em breve contamos também como conseguimos estes preços.

2 – Caixinha “dos miúdos”

Já há anos que esta caixinha existe cá em casa. A ideia veio comigo da casa onde cresci. Aí, o valor reunido revertia quase sempre para a causa animal. Cá em casa é apelidada de “caixa” para as viagens. Porque a chamamos também de caixa “dos miúdos”? Porque nela colocamos, e esse é o conceito, todas as moedas de 1, 2, 5 e 10 cêntimos que nos vêm parar à mão! Moedas que “só fazem peso na carteira”, como muitos dizem, … para nós fazem peso na caixinha mágica. E não é que ao fim de um ano, fazem toda a diferença?

Por vezes, abro excepção e lá coloco uma moeda de 20 cêntimos. Se encontramos moedas, por acaso, perdidas em algum bolso de casaco, nas calças antes da lavagem, … o destino é também a caixinha.

Outras vezes, vamos fazendo “pequenas cedências” no dia a dia. 50 cêntimos de um café não bebido na rua, mas saboreado em casa,… 1€ de um bolo não comido lá fora, … 5€ de algo supérfluo que, em vez de ficar em casa amontoado, se converteu em mais uma estrelinha para o nosso sonho… Ultimamente tenho feito outra coisa: a primeira nota de 5€ que me vem parar à mão no mês, vai para lá! 🙂 E o valor que poupo em parques de estacionamento, quando vou trabalhar e consigo lugar em estacionamento livre, no último mês tenho também conseguido para ali canalizar.

No fundo, o objetivo é mesmo esse, … dinheiro que poderia ir para outras coisas, necessárias ou opcionais, acaba por conseguir ser reunido. Também aqui, algo que seria necessário comprar e depois não foi, … algo que nos saiu mais barato do que inicialmente pusemos de parte segundo o planeado, … vai tudo para a caixinha. E assim, ao fim de cerca de um ano, a caixinha tinha mais de 120€ 🙂

Contas feitas, cerca de 850€ que quase pagaram voo, casa e bilhetes para o parque! Agora, das poupanças e do valor do mês iremos gerir o que poderemos gastar por lá em alimentação e transportes.

E assim se prova que, no poupar, está o ganho. 🙂 Não tarda muito, voltamos com mais truques!

3, 2, 1… por aqui, prepara-se uma viagem mágica! (Disneyland Paris I)

Bom dia alegria! E hoje é mesmo um dia assim, ainda mais positivo, com alegria redobrada. Estamos em pulgas, de coração aos saltos, com borboletas na barriga, nervoso miudinho e tudo a que tem direito um acontecimento assim!

Pois é, … hoje preparamos o embarque numa aventura de fim de semana e mais dois dias que nos vai levar a um mundo mágico… de pequenos e graúdos. Alguém tem palpites? Sabem do que falamos? Para quem viveu todo o imaginário das princesas e príncipes na infância, … para os que têm no Rei Leão, no Pinóquio, no Livro da Selva, no Bambi, … tantas e tantas referencias, … que lugar melhor para visitar que a Disneyland, em Paris?

É mesmo verdade, um sonho de criança, de tantos e tantos anos, concretiza-se aos trinta, na companhia da Eva e do Carlos. Pensado que estava há algum tempo, desta vez é que foi! Em breve conto-vos tudo, sobre como arranjámos casa em conta, voos e os bilhetes para o parque… e a Eva vai entrar gratuitamente!!!! Queremos partilhar com vocês os preparativos e a forma como conseguimos os melhores preços para ir nesta aventura fantástica e sem igual. Deixaremos em breve dicas de poupança no momento das reservas, truques e conselhos, … e também da forma como juntámos algum dinheiro, de forma algo simples, ao longo dos últimos (longos) meses.

Para já, o estado de alma do momento é este mesmo: ansiedade, expetativa, … emoção ao rubro e uma vontade imensa de ir. As malas estão quase prontas, … o coração em ritmo frenético, … os bilhetes prontinhos a embarcar connosco, … A Eva não para de dizer que é hoje! Tem sido hoje a semana inteira! 😀 Anda tão feliz! Cada vez que passa pelo saquinho das moedas no móvel da entrada fica orgulhosa e diz: “trabalhámos muito… já podemos ir ao “Dungo”! É assim que ela lhe chama, … porque desde o início que diz que quer ir ver o Dumbo! 🙂 Ficou-lhe uma imagem na cabeça do terno elefante no parque, e desde então tem sido assim que lhe temos chamado. Não tarda nada vão perceber o porquê do saquinho de moedas, … e qual o motivo e o simbolismo para ele se ter ali mantido durante alguns tempos!

Há semanas que a pequena enumera todos os seus heróis e personagens preferidas, … pergunta animadamente: “Quem está lá?” e começa a dizer, um por um, … “A Branca de Neve, está? E a Bela? E a Rapunzel, … o Peter Pan, … a Sininho, …?”. E depois termina dizendo, … “aquela é a Casa do Mickey e da Minnie”!

E é assim que hoje temos o coração, … a mil, … a milhões de batimentos de luz e magia por segundo. Venham connosco, … quem quer embarcar nesta aventura de sonhos e cor? Vamos contar-vos tudo… Até já! 🙂

 

Família… o melhor lugar do mundo!

Ontem, dia 15 de Maio, celebrou-se o Dia Mundial da Família! 🙂 Na escolinha da Eva será hoje que o iremos festejar e já andamos ansiosos. Teremos um encontro com os pequenos, com os outros pais, … pois família é isso mesmo: são os que estão connosco, diariamente, … os que nos rodeiam e nos ajudam a tornar os dias mais quentes e coloridos.

Família é quem está, … sempre, … não importa a hora, … a disponibilidade que têm, …estão sempre lá!

Família é quem fica e não vai embora, mesmo perante as maiores dificuldades, …

São os que ouvem os desabafos, … os dias menos bons, … as derrotas mais sofridas, …

São os que querem ficar mesmo quando os dias são mais cinzentos, … são os que não nos voltam as costas nos momentos cruciais!

Família é o cão companheiro, … o gato que nos percebe e adivinha as fraquezas e necessidades de carinho, … e se roça nas nossas pernas deixando uma “rasteira” de pelo!

Família são os que nos aplaudem nos momentos grandes e felizes… e que estão lá sempre!

Família são “aqueles” amigos… “aqueles colegas de trabalho”, … “aquelas pessoas” que fazem o sol brilhar dentro de nós e nos acendem aquela luzinha especial, mesmo quando lá fora a chuva insiste em ficar.

Família sou eu, … a Eva, … o Carlos, … a luz dos meus dias, … o “núcleo duro” com que enfrentamos a vida “lá fora”. Os que rimos e choramos, tantas vezes no mesmo dia.

Família és tu, Mãe! Sempre presente! És tu, Sara, … mesmo estando tão longe, … a distância medida pelo coração fica tão curtinha, não é? Que magia deliciosa!

Família és tu, avó “estrelinha”, a força secreta dos meus dias, … és tu, avô do “pica”… (a saudade é grande, mas as lembranças doces prevalecem).

Família são os que já partiram há muito… mas ficam na memória, para sempre!

Obrigada a todos vocês, … obrigada por darem significado a esta palavra tão nobre, que tanto prezo… tenho tanta pena dos que deixaram de lhe dar significado. Mas, enfim, … os dias seguem…. os que ficam, estão, de coração, de corpo e alma…. em pleno. A vocês, e vocês sabem, sem dúvida, quem são… agradeço toda a paciência, todos os momentos em que me ouvem, … em que me suportam e amparam. Ainda havemos de rir mais e mais juntos… porque a família é o melhor lugar do mundo, … estando com vocês, estou feliz!

Que estes valores prevaleçam e imperem sempre! 🙂 À família, … a nós! 🙂

 

Obrigada, nunca será de mais dizer-to (Mãe)!

A ti, que és Mãe, … está mensagem é para ti! Será sempre para (quase) todas as mães! As que levam a sério o significado desta palavra abençoada. As que têm na vida a missão mais bonita de amar e ser amadas incondicionalmente. As que conhecem o amor mais puro e inigualável… as que têm pela vida fora os melhores companheiros de jornada. Pelo menos assim deveria ser, em TODOS os casos.

Mas hoje, as palavras que dirijo, dirijo-as à minha mãe em particular! A ti, mãe, … guerreira de todas as horas, … nestes últimos tempos, ainda mais. A ti, que tens uma força que não conhecia, … a ti que és a minha força também!

Também por ti, todos os dias me levanto e tento mostrar o meu melhor sorriso ao mundo. Tento lutar com a garra que sei que tens e me conheces. És, sem dúvida, um dos meus motivos de alento. Uma das minhas missões maior de vida é fazer-te sentir orgulhosa da filha que criaste com tanto amor. Cada dia mais, passo a passo, sinto que o estou a conseguir. E ainda te quero proporcionar muitos e muitos mais motivos para sorrir e te orgulhares de mim, … de nós!

A ti, que já choraste a dor de perder uma filha! A ti, que amas por igual, as que estão neste plano, a que não está, .. a que está perto, e a que está longe! A ti, que não distingues o dia da noite quando se trata de nos ouvir, … quando tudo o que precisamos é de sentir que estás do outro lado da linha do telefone!

A ti que és avó, com o carinho e a dedicação de uma mãe! Obrigada por tudo o que de bom ensinas à nossa menina. Aqui, incluo-te a ti, à outra avó, … e à bisa! Não poderia ser de outra forma (com um trio de mulheres fortes e guerreiras assim, que outro exemplo precisa ela?).

Obrigada por cada confidência, obrigada pelo carinho espelhado em cada mensagem que recebo todas as manhãs! Obrigada por seres a ouvinte de todos os dias e a força secreta que me ergue! Obrigada por seres MÃE… e pai! A ti, a minha gratidão, hoje e sempre! Para ti, o meu amor e carinho serão eternos! Conta comigo em cada dia… de coração cheio e completo! Estamos contigo nesta caminhada!

Quais os melhores momentos para a extração de leite materno?

Muitas mamãs me perguntam qual o melhor momento para a retirada do leite materno! Para armazenar, para aumentar a produção… seja qual for o objetivo, a verdade é que existem momentos chave que permitem o aumento da quantidade extraída, lembrando sempre que, de dia para dia e mesmo em momentos diferentes do dia, a quantidade conseguida pode ser muito variável.

Importa ainda relembrar que, para maximizar a quantidade de leite extraída, a mãe deve estar calma, tranquila, com adequado nível de hidratação e nutrição, bem como com o máximo de descanso possível. Sempre que possível, o bebé deve estar por perto.

A escolha do funil da bomba de extração, seja ela manual ou elétrica pode aqui também determinar a maior ou menor eficácia na extração. Muitas mamãs conseguem prática na extração manual o que, sem dúvida, se reveste de grande mais valia, dado que nenhum equipamento se torna necessário, nem a sua consequente esterilização. A poupança, em termos financeiros, é também uma vantagem.

Postos todos estes critérios, indicam-se três momentos mais relevantes para a extração:

  • Durante as mamadas, extraíndo-se o leite da mama contralateral à tomada pelo bebé;
  • Após a mamada, pois o peito encontra-se bastante estimulado;
  • Durante a noite, quando a concentração de hormonas é superior.

Importa ainda lembrar que, alterações hormonais na mãe, podem condicionar a quantidade de leite extraída. Por exemplo, o retomar da toma da pílula é um dos fatores que aqui mais pode influenciar.

De recordar são ainda os momentos de pico de crescimento, em que o bebé tem maiores necessidades nutricionais, pelo que a ingestão de leite é superior. Nestas fases, que podem durar 3-4 dias a uma semana, será comum e normal que a quantidade de leite extraída seja inferior, não só porque o bebé tem maiores necessidades e o leite é quase todo recrutado para a sua nutrição e satisfação, bem como os momento em que a extração pode ser feira são mais escassos. Pode mesmo acontecer que, nestas fases, o bebé passe grande parte do seu tempo na mama, daí que haja menos oportunidades para a extração ser realizada.

Lembre-se sempre: a mama é uma fábrica, não um armazém. Não é por extrair leite que o seu bebé ficará sem ele para a mamada seguinte. Antes pelo contrário: se deseja aumentar a produção de leite materno, a sua extração será mais um fator de estimulação, garantindo-se a manutenção da sua produção.

 

Crédito da imagem: Revista Atletismo

 

 

 

Conheça as 3 opções para manter o aleitamento materno, antes de introduzir a fórmula!

Para muitas mamãs e famílias, esta questão continua a ser desconhecida, achando apenas que entre o leite materno e o leite de fórmula ou leite artificial, não existem outros caminhos e opções. Mas, a verdade, é que existem. E em várias combinações!

Gosto sempre de ressalvar que o aleitamento materno ou a amamentação, no seu estado mais natural, feita ao peito, com todos os laços afetivos que ligam mãe e bebé, será sempre opção ou não da mãe, da família, … de todos quantos envolve. Não, não a vejo como imposição, como melhor ou pior. Por isso mesmo gosto de ajudar com informação e com conselhos, que nem sempre estão no conhecimento de todos os pais e familiares e, por vezes, nem mesmo são dados pelos profissionais de saúde com que nos cruzamos nas consultas de acompanhamento semanal ou mensal.

Assim, este texto surge precisamente para as mamãs e papás que, em algum momento, se virem na eminência de ter de recorrer ao leite artificial, temporariamente, ou permanentemente. Para que saibam que, antes de tomarem essa decisão, que muitas vezes conhecem como única solução, existem tantas outras hipóteses a seguir.

Muitas vezes os bebés parecem ter fome, … parecem não querer pegar na mama… a hipótese de pico de crescimento deve logo ser levantada, conhecendo esta realidade, bem como a tabela que gere este acontecimento. Sobre este tema, tanto já se falou aqui no blog. São estes picos, em tantas e tantas situações, os responsáveis pelo desmame precoce (Picos de crescimento: saiba mais aqui).

Outras vezes as mães pensam que o leite está mais escasso, pois o peito está mais “mole” e flácido. Tantas vezes o motivo é apenas o facto de o corpo já se ter habituado à quantidade de leite exigida pelo bebé.

Noutras situações ainda, o bebé parece ter dificuldade em fazer uma pega correta e, nem sempre, a ajuda chega a tempo de se evitar a introdução do suplemento que, tempos depois, acaba por ser, em tantos e tantos casos que vou ouvindo, a única forma de alimentação do bebé, dado que foi feito o desmame precoce. Há outros caminhos a seguir, há mesmo!

Pois bem, quando pensarem que a única solução é mesmo ir comprar uma lata de leite, pensem nestes três passos que podem tentar, todos eles tendo como base uma premissa: continuar a ceder o leite materno. Assim, a amamentação dá lugar ao chamado “aleitamento materno”, ou seja, apesar de o bebé poder não fazer a pega da mama, mamando diretamente dela, pode manter o acesso ao leite materno, com todas as suas vantagens e propriedades, como também aqui já foi abordado (Vantagens do aleitamento materno: toda a informação aqui).

Desta forma, a mãe pode fazer a extração do SEU próprio leite, seja ela:

a) Extração manual (feita com a sua própria mão) – a extração mais económica que existe, podendo ser feita em qualquer lugar, mesmo sem bomba. Importa que a mãe higienize corretamente as mãos antes de a fazer e a faça para um recipiente devidamente higienizado.

 

extração manual

 

b) Extração com bomba (elétrica ou manual) – esta já exige a compra ou o aluguer da bomba, não nos devendo sempre esquecer que a escolha do tamanho do funil de extração deve ser uma preocupação, podendo a opção errada condicionar a extração do leite ou dar lugar à sua extração em quantidade reduzida. (Como escolher o funil para a bomba de extração).

Em qualquer uma das opções, importa que a mãe se mantenha calma, tranquila, que se faça abeirar do seu bebé sempre que possível, … os níveis de hidratação devem ser mantidos, bem como deve ser privilegiado o descanso da progenitora e um padrão de alimentação correto. O que se conseguirá aqui extrair será, à partida, em menor quantidade que a que o bebé mama naturalmente ao peito, visto que, quando a pega é feita de forma correta, nenhum outro elemento extrai melhor o leite que o sistema de vácuo criado pela própria boca do bebé.

E, assim, com o que extraímos, podemos ceder o leite ao bebé de três formas:

  1. Com copinho, próprio para o efeito, ou mesmo com um pequeno copo que se possa ter em casa, devidamente higienizado.

copo

 

2. Com colher, adequada à pequena boca do bebé;

3. Com seringa, tendo o cuidado de enviar pequenas quantidades de leite de cada vez, de modo a que não se gere um jato de leite forte em direção à garganta do bebé, o que poderia levar a algum engasgo.

Muitas mamãs julgam que dar logo o biberão com o leite artificial é a primeira e única solução mas, já viram quantas outras possibilidades existem? Tantas que ainda permitem a cedência do “nosso leite”, conduzindo ainda à economia do que seria gasto nas latas?

O biberão pode ser aqui a próxima alternativa (também com o leite que extraímos), caso as três opções dadas não conduzam ao sucesso. Ainda assim, aconselho sempre a ceder o leite em biberão fisiológico, para que o bebé não faça a chamada “confusão de bicos”. Estes biberãos simulam o mecanismo de extração do peito, por isso o bebé não sente o facilitismo da queda do leite num biberão comum. Assim, passada a situação que pode estar a motivar a recusa do peito, pode retomar-se novamente à amamentação comum. Sim, esta situação pode ser apenas transitória. Mesmo a cedência de leite artificial, em algum momento, pode mesmo ser apenas um episódio da história do aleitamento.

Ou, noutros casos, o aleitamento pode assim ser mantido. O leite de fórmula, em mamãs que pretendem continuar a dar do seu leite aos bebés, pode ser aqui a última alternativa, apenas após todas as outras serem tentadas.

Vale a pena tentar, vale a pena continuar a manter o aleitamento se assim for a vossa vontade. Estes são os caminhos. Experimentem, testem, … vejam qual deles é o mais viável e adaptável face às vossas necessidades e às necessidades do vosso bebé.

No fundo, estes podem ser passos preciosos num momento mais complicado, numa ameaça de desmame precoce, quando surge algum problema com o bebé, quando alguma coisa pode impedir a amamentação “comum”. Quem sabe se, sendo essa a vossa vontade, não foram apenas passos para manter o leitinho materno, voltando-se depois novamente à amamentação?

Qualquer dúvida que tenha, em qualquer das dicas e das estratégias dadas, estamos por cá! Sempre com vontade de ajudar, de informar, de motivar, .. e sobretudo de manter este tão grande bem para os nossos bebés! Estamos também ao dispor em Joana a terapeuta, e a Mãe! – página de facebook.

Crédito de imagens: Vida Ativa, Medela, Mamyneura.

 

 

 

Deixem-me sujar… deixem-me ser criança!

O nossa título, em forma de máxima pela infância feliz parece quase um velho anúncio de um conhecido detergente de roupa, mas não é! 🙂 É a filosofia maior que deveria reger o nosso papel enquanto pais, enquanto educadores, … enquanto sociedade, no fundo.

Se o anúncio é antigo, mais antigos ainda são os tempos em que esta era a ideia seguida pelos pais, … se calhar de forma inconsciente, menos informada, … mas ainda assim a mais sábia! 🙂

Sim, antigamente as crianças tinham mais acesso à rua, aos espaços abertos, … o acesso aos tablets, televisões e redes sociais era, felizmente, inversamente proporcional, inexistente mesmo, recuando uns belos vinte anos. Longe vão os tempos em que, na minha vida de aldeia, os tempos livres eram passados a andar de bicicleta (adorava andar de walkman nos ouvidos, a ouvir a minha preciosa cassete do Iran Costa), a jogar futebol, a brincar perto da ribeira, … Televisão era algo que só se via ao jantar, e nem sempre. Que se via ao fim de semana quando dava o Top Mais ou o Big Show Sic. Mas, curiosamente, esses momentos eram quase sempre em família, hoje em dia, acontecimento raro.

Atualmente, assistimos a uma independência tecnológica solitária, por mais que pensemos que o que está a acontecer é precisamente o contrário. Assistimos à realidade onde existem mais tablets e telemóveis por cada casa, que pessoas. Que rácio infeliz e vão é este? Vemos famílias inteiras “reunidas” em redor dos seus preciosos dispositivos, cada um com o seu ou com os seus (sim, no plural, sem erro de escrita), numa estranha partilha eletromagnética.

Que saudades das brincadeiras em casa dos avós, … na terra, …

Que saudades das “sopas” que fazia com água e terra nos vasos velhos do quintal… que primor era conseguir aquela mistura magnífica, que na hora da sobremesa virava mousse de chocolate, mexida e batida com um pau que por ali andava perdido.

Quanta vontade de voltar aos dias em que fazia “caldo” de sardinheiras. Como me lembro daquela vez em que tantas flores “miguei” para um balde com água, fazendo uma sopa, que as mãos se encheram de bolas vermelhas e de alergia. Cocei, cocei, … Valeu o “creme mágico” do querido Avó do Pica (as saudades de ti, essas, superam qualquer recordação mais feliz da infância, querido Avó Manel).

Que nos nossos dias esta essência não se perca, que se recupere e reviva intensamente, que seja a regra e a norma.

Que os nossos filhos possam calcorrear campos, ruas, parques, …

Que fiquem vermelhos e suados de tanto correr…

Que os joelhos se vistam do negro da terra, ou arejem com o roto das calças depois de uma valente queda, com arranhões a condizer (mais um belo pretexto para encher os nossos tesouros com os beijos milagrosos da mãe e do pai, da avó ou do tio, que curam como nenhuma outra mezinha).

Que essas mazelas sejam pintura rupestre na nossa alma, graffiti no nosso imaginário, pela vida fora.

Que as mãos guardem as memórias dos momentos felizes e descontraídos e as unhas levem para casa os restos das brincadeiras do dia, sob essa bela camada que tantos ralhetes faz ouvir antes do banho…

Que a água que sai no lavatório seja escura no fim do dia de diversão, lembrando que é essa a sua missão, e que nenhuma sujidade é eterna.

Que as meias brancas virem cinzentas…

Que haja collants cor-de-rosa clarinhos irremediavelmente perdidos, mesmo após três dias “de molho”!

Que as nódoas negras sejam sinónimo de alegria e os “galos” na testa sejam o anúncio maior das tardes de sol.

Que os chapéus saiam dos bengaleiros e que os pequenos pés das nossas crianças pisem o verde da erva e o tragam agarrado para casa.

Que o azul do céu seja expoente máximo, o cenário mais perfeito dos dias agitados e com ar puro nos pulmões.

Que se esqueçam os bibes sujos, as mangas encardidas, os calções furados, …a máquina lava, a agulha coze, … a alma fica mais rica e as experiências são guardadas a sete chaves como um tesouro precioso.

Que o sorriso deles sejam a mais pura certeza e que nunca se perca a infância, com toda a sua essência.

Que essas memórias perdurem em nós, … que construamos cada dia mais e mais com os nossos filhos,… que sejamos crianças com eles outra vez, hoje e sempre!

 

Fonte da imagem: Aquarela Parques

“Comboio” (Linha Baby Europrice)

Mais um jogo, … mais algumas dicas de como estimular a linguagem, a fala, a atenção e a concentração bem como a motricidade dos nossos pequenos tesouros.

Seja com os nossos filhotes, em contexto terapêutico e/ou educativo, este jogo tem imenso potencial no que toca a vocabulário que pode ser abordado. Mesmo antes dos dois anos já é ótimo para a estimulação da linguagem. Depois dessa idade, e até aos 4, 5 anos, torna-se mais um aliado na descoberta de novos termos, de novas categoriais semânticas, …

O jogo em si é composto por cinco pequenos puzzles, com dificuldade progressiva. É constituído por puzzles com 3, 4 e 5 peças e, no final, todos eles encaixam entre si, sem ordem definida para que essa escolha possa ser feita por nós. E assim se forma um comboio com mais de 20 centímetros de comprimento.

jo5260_2

A parte da frente, a parte do meio, a parte de trás, … escolhendo a configuração final do comboio e usando estes termos, vamos trabalhando os locativos (palavras que indicam lugar). Depois, a temática dos animais, … os da quinta, os da selva, … os que voam, .. os que têm penas, os que têm pelos, …

As cores, os instrumentos musicais, os transportes, … tanto, tanto que há a explorar. As flores, as suas formas, … tudo, tudo isto e muito mais pode aqui ser abordado, proporcionando aos pequenos e aos mais graúdos momentos divertidos e construtivos. O jogo custa apenas 7,5€ e pode ser adquirido no nosso espaço terapêutico (https://facebook.com/joanaaterapeuta).

Quem se lembra de mais utilidades e vocabulário que aqui pode ser abordado? Quem nos conta a história de todos os animais que apanharam a boleia do nosso comboio mágico?

Aceitamos as dicas, as sugestões e, se quiserem, enviem-nos fotos dos vossos comboios “finais”, com a escolha feita pelos vossos pequenotes no momento da construção. Aguardamos ansiosos pelo vosso feedback.