Natais de ontem… Natais de hoje!

Por mais que os anos passem, a magia do Natal não se perde, … seja ela focada em que pormenor seja. De uma forma ou de outra, Natal é sempre sinónimo de estar em família, seja ela composta por dois, três elementos, ..vinte, cinquenta… o importante é estar, é sentir!

Não, não sinto que a magia se perca com a idade, … de uma forma ou de outra, ela vai-se transformando, é apenas isso que sinto. Há uns anos atrás, especial era a sesta que fazia a meio da tarde, … sem ela o Menino Jesus e o Pai Natal não vinham lá a casa! Enquanto isso, na cozinha, a azáfama da minha mãe e da minha avó era para porem o bacalhau, as batata e as couves na panela. Para fazerem a sopa de Natal, com o pão deixado no final, bem abafadinho! Que saudades desse petisco! Ainda hoje, seja onde for, por mais simples que seja o migar de pão na sopa, que não costumo fazer por norma, mas que de quando em vez faço para relembrar cheiros e momentos de outros tempos, .. é sempre a “sopa de Natal” que me vem à memória!

Com os anos perderam-se pessoas especiais, … umas que permanecem no pensamento e no coração, … outras que se foram de vez! Umas que foram por decisão da vida, … outras que tomaram a decisão da sua vida, … Cada uma delas ocupa o devido lugar no meu pensamento e coração! Umas foram pela força dos tempos, … outras escolheram ficar! Outras chegaram, felizmente! Com elas trouxeram nova luz, novas gentes, novas tradições, momentos, gargalhadas e sentires. Obrigada Carlos, por tudo o que acrescentas em mim! Outras nascem e chegam carregadas de energia positiva, de luz verdadeira e doce… minha Eva, quão doce e perfumada é a vida contigo!

Hoje, os natais são mais conscientes! Sei perfeitamente onde e com quem quero estar! Sei realmente quem quer estar perto. O Natal deste ano ganhou uma magia nova… não melhor que a de antes, mas ganhou um novo sentido… um novo vínculo de família. Pela primeira vez conseguimos reunir na mesma mesa as pessoas que em anos anteriores ficavam amigavelmente “cá” e “lá”! E nós, que antes andávamos “cá” e “lá”, porque queríamos estar com as famílias “dos dois lados”, este ano conseguimos juntar “a família”! E fez tanto sentido! Pois a realidade é que é assim que a vivemos!

Não, … o Natal de ontem não teve o programa de espetáculos que antes fazia, … a família cá em casa tinha direito a Sarau de Natal… eu cantava, dançava, tocava órgão, flauta, … e oferecia mesmo um programa escrito, como mandava a tradição! Tinha magia à sua maneira. Mas ontem, a estrela da festa foi a nossa pequena. Também ela canta, dança, sorri, … e assim vamos ganhando novas tradições! O soar da sineta do pai natal, … o descobrir em que lado as badaladas soaram e saber que porta deveriamos abrir para descobrir um novo presente… a vontade em estar connosco, em partilhar aquele livro especial, aquele jogo que lhe prendeu o olhar! Minha Eva… tão feliz que és, … tanto que temos a aprender contigo!

Sem dúvida, … a magia continua a acontecer, … ela perdura no tempo… molda-se aos novos tempos, aos desafios que nos chegam! Melhor? Pior? Não sei, … alegre e feliz foi, certamente! Que mais anos assim venham… nada mais posso pedir! Boas festas a todos… acima de tudo, que nunca se perca esta essência! Natal sem consumismo, … Natal da Família… o Natal do Estar, do Dar-se, … apenas e só isso, nada mais!

Disneyland Park: dia 2 (Disneyland Paris V)

Olá! 🙂 Achavam que nos tínhamos esquecido de partilhar como foi a nossa visita ao segundo parque da Disneyland, em Paris? Não, nada disso! 🙂 Apenas chegámos muito cansados depois deste segundo dia, já por volta das 01:00, e no dia seguinte esperava-nos o voo de regresso. Com o regressar ao trabalho e ao dia-a-dia, só hoje consegui vir aqui partilhar com vocês mais um pouco da nossa viagem de sonho. Que dias maravilhosos… já os recordamos com saudade e com imensa vontade de regressar.

A Disney é mesmo um pequeno mundo à parte, para pequenos e graúdos. Um sonho tornado realidade! E, pois bem, o segundo dia foi ainda mais intenso, de mais emoções, terminando com o fantástico espetáculo de luz, cor, som e fogo de artifício, … saímos do parque já depois da meia noite e, mesmo com o cair da escuridão, aquele espaço ganha ainda mais magia, mais luz, mais animação… é um mundo sempre a girar! 🙂

Já tínhamos começado a visita a este segundo parque no dia anterior, por ser o maior e por ter mais animações e atrações. E assim continuámos! 🙂 Aconselho a que assim façam se tiverem oportunidade de fazer a visita em dois ou mais dias! 🙂

1- Atrações e pontos de interesse

Voltámos ao Castelo a pedido da pequena, e a magia continuava lá, … cada vez maior. Entrando pela porta grande voltámos ao recanto da Bela Adormecida e, perante os vitrais maravilhosos, lá repetimos à Eva, uma e outra vez, a história da princesa Aurora. Depois, esperou-nos o Labirinto da Alice, o seu castelo, a Rainha de Copas e o seu ilustre exército de cartas… o labirinto é delicioso! 🙂 Visitámos ainda o “Small world”, um trabalho genioso, com grande pormenor e exatidão, … crianças de cada pais, extremamente bem caraterizadas, as culturas, as danças, as músicas, … numa maravilhosa viagem de barco. Aqui a espera não é muita e vale bem a pena.

Depois de almoçar, fomos até à Ilha Pirata, à Ponte Suspensa, à Gruta da Caveira, … sempre com os tempos de espera em mente e com ajuda da APP Disney! Falaremos dela em breve. Foi uma ajuda preciosa. Fast Pass retirámos para a aventura do Peter Pan… um voo maravilhoso, uma das diversões mais fantásticas deste dia. Sabem qual é a sensação de sobrevoar Londres, durante a noite, com centenas de luzes pequeninas bem debaixo dos nossos pés? Foi isso mesmo que sentimos! Recomendo vivamente. Num próximo texto conto-vos o truque do Fast Pass pois esta atividade é das mais procuradas no parque.

2- Experiências mágicas

Continuámos ainda com uma bela viagem de Barco a bordo do Molly Brown, um verdadeiro barco que faz um percurso de cerca de dez a quinze minutos por toda a ilha do parque! 🙂 Na memória guardamos ainda as ruas e o castelo do Aladino, a aldeia africana, … a Casa Assombrada, … tanto, tanto, tanto, … foi tão grande o cansaço como a alegria de ver o olhar cintilante e feliz da pequena. Foi um dia de criar tantas recordações boas! 🙂

A magia aconteceu ainda na visita à “Casa do Mickey”. Sem querer, e depois de alguma espera numa sala que fazia mesmo lembrar um teatro e onde, durante o tempo de fila, iamos vendo clássicos do Mickey, num ecrã de cinema… de repente nos surge o Mickey. Oportunidade ideal para a foto, ante a surpresa da pequena Eva… e dos papás! Quando entrámos naquela sala estávamos longe de imaginar que teríamos um encontro imediato com o Rei da Disney.

3 – Jantar com as personagens Disney

Ao jantar, mais uma surpresa, … conseguimos marcação para o “Mickey Café”. Este fica fora dos parques e pode ser visitado por qualquer pessoa, mesmo sem bilhete de acesso ao Parque. Deste espaço menos falado vos hei-de falar em breve! E aí a magia ganhou ainda um significado maior! Foi uma hora deliciosa onde, da nossa mesa, se ia abeirando a Minnie, o Mickey, o Pateta, o Burro do Winnie Pooh, o Tigre, … tantas expressões de felicidade e sorrisos da Eva que a nossa mente guardou! E a carita dela quando o Mickey fazia de contas que lhe tirava a taça com a comida, … vai ficar para sempre gravada em mim. Apesar de ser uma experiência paga, para além do bilhete, penso que foi o nosso miminho naquela viagem, o maior extra … Mais uma vez, por ter menos de três anos, a pequena não pagou, mas teve direito a um miminho, servido num belo prato em forma de Mickey. Que alegria infinita!

4- O espetáculo final e as despedidas

A noite terminou com o espetáculo final que acontece também no Disneyland Park, sempre às 23:00. Mais um fantástico desfile de canções, de personagens, … tudo acompanhado de fogo e video mapping no fantástico castelo que, iluminado para a noite, ganha um tom de sonho ainda mais expressivo. Verdadeiramente digno de um contos de fadas.

Como fomos fazer a experiência do jantar, não conseguimos ficar nos lugares da frente, mas muitas pessoas começam a vir embora antes do final, por isso fomos ficando mais e mais perto… e mesmo no final, sabem que mais? O parque fica aberto quase mais uma hora, … aí, aproveitámos ainda mais cada recanto, em jeito de despedida. Custa tanto olhar para o castelo antes de vir embora, … fica a promessa e o desejo de voltarmos em breve!

5 – Dicas, conselhos e truques

Aqui, ao blog, voltarei também mais vezes com este tema. Tenho tanto ainda para vos contar: dicas para os transportes, APP’s que nos facilitaram a vida, a acessibilidade, preços de alimentação pelo parque e fora dele, a magia de cada uma das lojas que lá encontramos dentro, … vão estando atentos, … os próximos dias continuarão a trazer muitas dicas e conselhos para quem também, como nós, planeia ao pormenor esta viagem de sonho. 3000€, … 4000€ gastos? Nem pensar, … por cerca de 1000€ e durante 4 dias de viagem fizemos verdadeiramente a magia acontecer e vamos contar todos os truques! 🙂 Continuam connosco?

2018… que ano foste tu?

Último dia do ano… não gosto de balanços, prefiro pensar em reflexões, em ensinamentos que ficam, em passados deixados para trás das costas e em desejos renovados. Sou assim, por vezes negativa por fora, mas cheia de coisas boas, pensamentos positivos e sonhos imensos por dentro. À minha maneira, sou feliz! Sou feliz com os meus, com os que me rodeiam, com os que me acolhem, com os que me dão colo e mimos, com os que me chutam e me põe à parte. Obrigada a cada um de vocês, à vossa maneira, todos têm um lugar muito importante em mim. Nem mais, nem menos, cada um da sua forma.

2018, foste um ano longo, … de dualidade imperfeitas, … felizes, infelizes, … de desejos concretizados, de sonhos realizados, … de desilusões que doem a sarar, … de lágrimas de dor e de agradecimento, de mil “obrigados”! Começaste balanceante, entre a dúvida, a alegria de uns dias, a tristeza de outros. O reconhecimento dos que me rodeiam, a alegria da partilha, … a dor da perda, o sabor doce das conquistas e das vitórias. Nem te sei explicar, … só sei que tanto aprendi contigo.

Ainda há pouco, ao pequeno almoço, dei por mim viajante em pensamentos, … em memórias, … penso que me agarrei às melhores e fiquei feliz por isso. Nas mágoas, parei um pouco, refleti e segui. O luto está em processo crescente, pelas perdas físicas, pelas afetivas, … por ter visto partir de várias formas tantos que amava, por ter visto chegar tanta gente bonita até mim. Para onde pende a balança? Nem sei ao certo! Bom, mau, … tudo faz parte, … é isso que gera o equilíbrio. Foram as agruras deste ano que me fizeram valorizar ainda mais os que estão perto. Aos outros, desejo o melhor, na certeza da escolha feita e que não mais volta atrás.

Mas vamos ao positivismo, ao que quero levar de ti em braços para 2019: obrigada pelo meu cantinho do coração, o meu sonho tornado realidade (https://www.facebook.com/joanaaterapeuta/videos/318443422289683/) . Obrigada pela saúde e pela força dos que me rodeiam. Obrigada por estarmos quase todos por cá, .. fica a saudade dos que partiram, mas a alegria dos que se mantém firmes junto a mim: é por eles que todos os dias traço o meu caminho. Obrigada pelos desafios conseguidos, pela coragem para partir em busca de novo caminhos. Obrigada às pessoas lindas e positivas que consegui agarrar para o meu núcleo de “coisas boas e gente maluca e feliz pela vida”! É assim que sou, … é assim que me vejo, pois sei que depois de uma nuvem passageira, outra e mais outra, o sol que brilha é o mais bonito e o mais forte e sólido!

Por fim, a mais importante de todas. O motivo maior de ser o que sou e de ser como sou: minha terna e doce Eva. Meu sorriso maior! Meu coração fora do peito! Minha Menina Feliz, minha Sininho, minha Borboleta e minha bailarina! Pureza e leveza de ser são o teu nome do meio. Força motriz dos meus sonhos, âncora na minha tristeza… tens em ti tudo o que o meu mundo mais deseja. É por ti que existo, hoje e sempre! Melhor de 2018, … melhor de sempre! A ti, a todos, um sentido “obrigada”! Que 2019 nos traga energia positiva, saúde, paz, espírito sereno e sonhos mil… concretizações à medida da nossa força e sorrisos desmedidos. Obrigada 2018! Foste tu, sem igual, … obrigada, de coração cheio e feliz!

Somos mães, somos guerreiras!

Esta é uma expressão que uso várias vezes para outras mães, quando as quero motivar ou fazer pensar no seu verdadeiro papel e valor. Para além de ser mãe e terapeuta da fala, como vos falava ainda no texto de ontem, sou também conselheira em aleitamento materno. Em todos esses papéis lido com mães e, muitas vezes, com mães no seu estado mais frágil e a necessitar de abraços, miminhos e palavras de motivação.

Não é fácil sermos mães e sentir que o nosso leite parece não satisfazer o nosso bebé, sentir que por mais que os ajudemos nos trabalhos da escola eles têm sempre algumas dificuldades. Não é fácil querer ser mãe a tempo inteiro mas ter que trabalhar porque os nossos filhos precisam de pão na mesa, ou ser mãe e sentir que por mais que estimulemos os pequenos, as palavras teimam em não surgir ou a fala deles coninua a parecer-se mais com chinês do que com o nosso português.

Esta é a minha realidade diária, sou mãe, lido com mães assim, mães reais, com preocupações, angústias, medos, mas que têm um coração carregado de amor, bem no centro do peito. Penso que seja esse o segredo para que nos mantenhamos sempre firmes, mesmo quando os ventos sopram contra e as marés teimam em nos fazer caminhar dez passos para trás no caminho de vida que sonhámos traçar.

Somos mães, somos guerreiras, … aconselho assim, tenho também para mim presente muitas vezes esta expressão. Sabemos que nenhum outro ser é mais forte e determinado que uma mãe. Ainda há dúvida que ser mãe é ser especial? Falo pela minha, pela que me gerou. Pela que me educou em valores nobres e puros. Por aquela que está sempre lá, mesmo estando ela tão frágil. É a voz que acalma e sossega, mesmo quando a sua própria voz parece tremer e vacilar. Tens sido uma guerreira e eu admiro-te tanto, tanto, tanto, … esta frase que tanto uso é sem dúvida uma inspiração em ti!

Mas agora eu também sou mãe, … MÃE! 🙂

E agora sinto e sei que ser mãe é…

Pensar nos pequenos a toda a hora, dentro ou fora de casa…

É pensar nas várias horas do dia e associar aos que os nossos tesouros estarão a fazer naquele preciso momento na creche, na escola, …

É ter forças para mais um dia porque sabemos que no final, estaremos novamente todos juntos, essa é a melhor recompensa.

É querer ir rápido para a cama para poder sentir o cheirinho puro e característico daqueles pequenos anjos que temos na nossa vida.

É sentir orgulho de cada palavra que lhes sai pela boca, … é vibrar quando os pequenos bracitos se abrem em forma de um abraço gigante para nós…

É passear com eles de mãos dadas na rua e querer que o caminho não termine nunca mais…

É segurar “naquela” mão tão pequenina e sentir que não precisamos de mais nada do mundo.

É andar há meses sem ter vontade ou tempo para comprar uma peça de roupa, mas querer comprar a primeira camisola fantástica que se vê numa montra.

É contar os trocos todos os dias e evitar ao máximo gastar dinheiro em coisas “não essenciais”, mas não se importar de levar um miminho para os filhos, seja um livro, um jogo ou mesmo uma revista do panda de vez em quando.

É comprar pastéis de nata em tamanho normal porque o pai adora, mas agora já começar a levar um em tamanho mini para a pequena.

É contar a mesma história vezes e vezes sem conta ou ver o mesmo dvd repetido todos os dias da semana, só porque é o favorito deles.

É chegar ao carro e ouvir logo as canções da Xana Toc-Toc ou dançar loucamente o “Doidas andam as galinhas” do Avô Cantigas, tanto como há uns tempos atrás dançava DZRT nos concertos.

É abrir os olhos todas as manhãs e ter vontade de agradecer por mais um dia, pelo motivo mais belo e singelo.

É achar que não é de todo um cliché quando dizemos que “os filhos são mesmo o melhor do mundo”!

É não esquecer “aquele peso”, “aquela altura”, “aquela hora” e “aquele momento mágico”.

É contar semanas na gravidez e meses nos primeiros anos de vida, quando todos os “comuns mortais” olham para nós em desespero e a fazer contas de cabeça.

É criar, inventar, imaginar a toda a hora, por eles, pela criança que há em nós.

É pensar que eles são ainda tão pequeninos, mas que o tempo passa a correr.

Ser mãe é tanto, … ser mãe é tudo! Ser mãe é poder todos os dias caminhar lado a lado com o melhor presente que a vida nos deu. Feliz Dia da Mãe (a vocês, à minha, às avós, às bisavós, … àquelas que o serão em breve e as que ainda guardam esse desejo para mais tarde). A ti, “mãe duas vezes”, também não te esqueço. Ser mãe é estar também sublimada, … é ser mais alta, é estar junto dos melhores… é ser memória, lembrança e aconchego. A ti, … por ti, … Feliz Dia da Mãe Avo P.!

Mãe-terapeuta da fala ou terapeuta da fala-mãe?

Esta é a essência do blog: sou mãe, …sou terapeuta da fala! Antes de ser mãe, já era terapeuta, mas o papel de mãe é um dos mais importantes na minha vida! Sou mãe da Eva, quantas vezes “mãe” dos meus pequenos pelo amor e dedicação que lhes dirijo… é um misto de emoções! E por vezes é tão difícil dissociar estes papéis! Nas sessões, cada criança que acompanho vejo-a como sendo a minha filha! Sim, podia ser a Eva a estar daquele lado, a precisar de mim assim. Por isso não vacilo no carinho e atenção que lhes dou! Não há conta nem medida, apenas o objetivo máximo de lhes dar tudo o que daria à minha pequena. Só assim me faz sentido!

E depois penso na Eva a cada momento, na alegria que será quando chegar a casa no final daquele dia. O tempo que temos juntas nem sempre é na quantidade que eu queria, mas quando estamos reunidas, tento aproveitá-lo ao máximo. Cada segundo é “brincado” de forma intensa e divertida. Por vezes, é nas brincadeira com a pequena que me lembro de algumas atividades para os meninos que acompanho, … é com ela que várias vezes vejo o potencial de alguns materiais… e sabe tão bem! 🙂

Mas, na maior parte dos casos, é a pequena que se assume como cobaia! Acho que, nos últimos meses, não há material que compre que não seja primeiro testado por ela! Puzzles, encaixes, jogos, livros, … tudo! E não há feedback mais sincero que o de uma criança! Se a pequena ficar cativada, certamente as coisas vão correr bem quando usar aquele material nas sessões de Terapia da Fala.

Mas o inverso também acontece. E o que ela adora ir para o “quarto dos materiais”. Sim, terapeuta da fala que se preze tem o seu arem de jogos, a sua biblioteca pessoal, uma reunião infinita de cartões plastificados, … a Eva fica maravilhada! Sabe que lhe empresto os “materiais dos meninos da mamã”! E assim, aos poucos, lá vai percebendo que devemos partilhar, … que as coisas são para ser estimadas! Não brinca com um sem antes ter arrumado o outro! Por vezes, dou por mim a fazer com ela algumas das tarefas que faço com os pequenos, e sabe tão bem sentir que ela também aprende comigo! 🙂

É mesmo uma ligação, um fio que não se perde quando nos entregamos com o coração! Por isso digo, sou mãe-terapeuta, mas também terapeuta-mãe! É um orgulho imenso ver a evolução da Eva ao nível da linguagem e saber que as estratégias que usamos e as atividades que fazemos para a estimular mostram resultados todos os dias! É bom partilhar com ela o meu dia-a-dia e poder sentir nos materiais que vou usando nas sessões um pouco da alegria dela, com as memórias que me chegam do dia em que ela me pediu “aquele” jogo emprestado! Obrigada filha, obrigada meninos do meu coração! Sou mãe, sou terapeuta da fala, … sou feliz! 🙂

 

O melhor presente de todos!

Ontem, dia 25 de Janeiro, os 29 chegaram a estes lados, … meu Deus… tinha 26 quando engravidei! 🙂 Fiz os 27 com a Eva na barriga, já fiz os 28 e os 29 com a pequena cá fora… bem digo eu, e comprovo a cada dia, que o tempo não para! Mas, a grande verdade, é que no meio destas contas todas, a Eva foi mesmo o melhor presente de todos. É tão bom tê-la comigo a celebrar mais um ano! Sei que os anos estão a passar, … para o ano, chegarão os 30! Mas é tão gratificante ser mãe, vê-la crescer, … sentir-me útil e alguém de quem ela não prescinde!

Nem sempre é fácil quando se prepara o jantar e ela quer colo! Ou quando quero trabalhar no computador ou escrever e ela quer dominar o teclado! Não, não é simples quando quero tomar banho e ela quase que entra pela banheira ou vai descarregando para lá tudo o que encontra: escovas, toalhas, … ! Mas a vida assim sabe bem! Sabe diferente e é doce, apesar de tudo! Não estou sozinha, há cor, há vida, há animação nos meus dias, agora, mais do que nunca! Ser mãe, foi o melhor presente que a vida me poderia ter dado, e hoje é dia de agradecer! Agradecer por mais um ano… pela Eva, … pela doçura que é ter gente boa por perto! Pelo meu trabalho, o prazer dos meus dias! Pelos meus meninos, pelos professores e educadores… agradeço a oportunidade de lidar diariamente com gente tão boa! Mas a Eva, oh, a Eva! É o melhor acordar de todos e o melhor adormecer, .. deitá-la e ficar a ouvir-lhe a respiração que se acalma é tão, tão bom!

Bem vindos 29! Que sejam pelo menos tão felizes como os 28! O melhor presente, … esse, recebo-o todos os dias, convertido em sorrisos e gargalhadas… não posso pedir mais!

Dias difíceis e princípios para a vida!

Os últimos dias têm sido difíceis e particularmente assustadores, … basta ligar a televisão, abrir uma qualquer rede social ou olhar para uma banca de jornais, .. o pânico e o pavor do olhar de pessoas em desespero preenche cada página e cada ecrã, …

A pequena não parece ficar indiferente e aponta a televisão cada vez que surgem as notícias, … as pessoas que falam em pânico, os pedidos aflitos de auxilio e os desabafos de quem perdeu tudo, ou quase tudo o que tinha, … penso várias vezes em desligar a televisão, mas a verdade é que não quero criar uma filha num “mundo perfeito”, pois sei bem que o nosso está longe, muito longe, de o ser. Assim, deixo-a ter contato com todas as notícias e intervenientes, e vou falando com ela, … sei que pouco pode perceber, mas espero criar nela todo o altruísmo, solidariedade e sentimentos positivos que conseguir, … espero que mais tarde, todos eles se reflitam na sua vida.

Numa linguagem simples e minimalista, tento explicar-lhe que as pessoas estão tristes, .. que ficaram sem as suas casas e a sua comida, … sem os seus animais do coração e os sítios onde foram felizes, … que perderam, muitas delas, quem lhes dava os beijos de bom dia e tornava os seus serões em famílias mais repletos de luz. Por vezes, a Eva olha-me, nem sei bem se me questionando, se pedindo-me que continue, … se sentindo tudo o que lhe digo, da sua forma tão simples e ternurenta, …

“Sabes? Hoje a mamã comprou algumas coisas para ajudar aquelas pessoas e aqueles animais, … não é muito, é o que podemos, … espero que todos consigam dar nem que seja um pouquinho, …”. Que os valores nobres te persigam sempre minha filha, … tentamos deixar-te o melhor exemplo que conseguimos, …

E para todos os que passam por este “inferno na terra”, deixo as minhas palavras de força, coragem e gratidão. Força a todos quantos continuam a tentar por fim a este pesadelo. Coragem aos que vão ter que recomeçar do zero, ou perto disso, muitos deles sem alguns dos seus entes-queridos…Gratidão a todos quantos deixaram de contar os dias e as noites, e desde sábado apenas vivem em função do outro, … é pena que apenas na dor se faça jus à solidariedade e bons valores do povo-português (na sua maioria), mas que se tire de situações assim ensinamentos para uma vida mais luminosa e em harmonia, uns com os outros e com a natureza que nos rodeia. Esta sim, não para de mostrar o seu poder, … haverá ainda alguém que dele desconfie! As provas estão por todo o lado…

Se pudesse, agarrava (ainda mais) o tempo!

Hoje a Eva faz 6 meses! 6 MESES!!! Até custa dizer! É bom por um lado, sim! A sensação de missão cumprida a cada dia que passa, os sorrisos, todas as recordações que já temos deixado para trás e que relembramos de sorriso estampado na cara, … tudo vale a pena! Mas depois penso também que tem passado rápido de mais! Agora sim, percebo aquilo que ia ouvindo durante a gravidez e quando a Eva nasceu: “Aproveitem bem! Passa tão rápido!”. Tantas vezes ouvi a “célebre” frase que achava ser mais um cliché daqueles dos pais, que nos vamos habituando a ouvir, mas não! É totalmente verdade! Ou sou eu que já estou domada totalmente por este espírito da parentalidade, que acredito piamente que sim, ou o “senhor tempo” tem andado em passo apressado aqui por estes lados!

Se eu pudesse e se tivesse o dom de o fazer correr mais devagar, ai não que não o fazia! Ou fazíamos um acordo, talvez fosse melhor assim: “Tempo, passa mais depressa quando não estou com a Eva! Prometo compensar esta tua corrida quando estiver novamente com ela! Aí deixo-te descansar, deixo que passes lento e esquecido dos segundos que vão correndo!”. Mas não é assim tão simples, pois o tempo não gosta muito de fazer acordos connosco. Se assim fosse, ninguém teria rugas, nem levava de nós aqueles que mais gostamos! Implacável, soberbo, é o que o tempo é!

E por assim ser, vamos lidando com ele da melhor forma que sabemos: aproveitando-o ao máximo! Tem sido assim desde que engravidei, ainda mais desde que a Eva nasceu! São 6 meses de muita alegria, de felicidade plena e pura, no mais terno dos sentidos. Os nossos dias estão mais repletos de afazeres e de correria, mas também muito mais preenchidos de amor puro e de risadas ao quadrado, ao cubo, …

Que venham mais 6 meses, mais 6, mais 6, … muitos e muitos mais! Prometemos aproveitá-los como se fossem anos! Eva, queremos estar sempre por perto, queremos amar-te e mostrar-te a essência do nosso amor por ti! Agradecemos-te hoje e todos os dias tudo o que de bom nos dás, e é tanto! Que estes sorrisos permanecem assim, sinceros e mágicos! Cada acordar teu, cada hora de adormecer, fazem-me sentir tão cheia, tão realizada! Sou tua mãe, é tão bom de o dizer! Faço-te um desafio, a ti e ao pai: “Meus amores, vamos continuar a ser assim, felizes?”.

Obrigada a vocês por 6 meses intensos de amor e dos sentimentos mais nobres que algum dia conheci! Parabéns filhota! 🙂

 

 

O que o Domingo à tarde nos faz!

Domingo à tarde: um misto de sentimentos estranhos entre o “ainda é fim de semana” e o “é quase segunda-feira”! Para mim, o fim de semana tem uma enorme panóplia de emoções! O serão de sexta-feira marca o início maravilhoso do fim de semana, com a família reunida e com a despreocupação em relação a horários tão rígidos! O Sábado à noite é a noite “rainha”, a minha eleita em termos de deleite familiar e de boa disposição. Ai se lhe pudesse por um travão e fazê-lo durar… durar… e durar! O Domingo, mesmo assim, é sempre muito bem aproveitado por cá, dividindo-se entre as tarefas de casa e a alegria que é estarmos todos reunidos: a Eva, eu e o pai!

Ao fim de almoço, depois de fralda mudada e barriguita cheia, a Eva ficou mais aos cuidados do pai enquanto eu fazia uma sopa para a semana e um petisco para adoçar a tarde! Os programas entre pai e filha já costumam ser animados e de uma loucura infindável, mas hoje tivemos o quê? Programa perfeito: pai e filha a assistir a corridas de carros! Já não bastava outrora andar a mãe metida nestas andanças e hoje dou com a minha filha ao colo do pai e depois na espreguiçadeira com um nivel de atenção e concentração magnífico ao que por ali se via. Parecia que seguia os carros e as voltas que eles davam com a própria cabeça! Incrível o que faz um ecrã, movimento … e um pai que sujeita a filha a coisas destas! Numa das espreitadelas que lhe ia dando para dar miminhos (tão bom que é!) o pai saiu da sala e eu lá mudei a televisão, achando que aquilo não era opção de programa para a Eva ao Domingo à tarde! E sabem que mais? Ela reclamou! Parecia mesmo que estava a gostar, e lá lhe deixei continuar com o programa preferido!

Mais tarde, e como se ver corridas de carros não fosse já algo muito alternativo para uma pequena de 3 meses, o que se seguiu? Pois bem: filmes de ação ao mais alto nível! Ela continuava a vibrar! Impressionante, tudo o que envolve movimento, barulho e animação é mesmo o programa de eleição da pequena! A atenção partilhada entre ela e o pai em relação ao ecrã era notória (sempre a somar em termos sociais e de desenvolvimento)! Desenhos animados? Sim, também gosta, mas como ao fim de semana os quatro canais poucos ou nenhuns passam durante a tarde, ela deliciou-se com o que havia! Ainda assim, alguns soninhos pelo meio no colo do pai e muitas canções trauteadas também fizeram parte da nossa tarde! A televisão acabou por ser secundária!

O melhor de tudo isto? Estarmos em família, partilhar colinhos, mantas, abraços, beijos, uma tarte de pastel de nata gigante e muita alegria! Porque depois de todas as emoções da velocidade e dos filmes do Arnold Schwarzenegger, o que conta realmente é estarmos juntos, seja lá com que programa de televisão for! Acho que começo a gostar um bocadinho mais dos Domingos à tarde! Segunda-feira? Não faz mal… rapidamente passam mais 5 dias e é fim de semana outra vez (vivam os pensamentos (extremamente) positivos!).

Chuva lá fora… magia dentro de casa!

Hoje, a meio da tarde, eu e a Eva (e toda a Coimbra!), fomos brindadas com uma bela chuvada! Chuvada e trovoada (os miúdos adoram rimas, podem-lhes ser proporcionadas em doses garrafais, carríssimos pais e educadores!). Como a Eva já estava despachada de mais uma sessão de “leitinho para encher a barriga”, peguei nela e fomos até à janela do quarto dela! Já é costume, após a sua digna refeição, circularmos pela casa, sim, porque a Eva não gosta lá muito de fazer a digestão “estacionada”! E assim foi, lá começamos nós mais uma sessão de “volta a casa em colinho”!

Quando então chegámos à janela do quarto parece que se tinha feito magia diante dos olhos da minha pequena! Ficou encantada, não sei se com o que via, se com o que ouvia, se com a combinação dos dois poderosos estímulos que a chuva trazia. Já tinha chovido mais uma ou outra vez desde que ela nasceu, mas com tanta força e de dia, penso que não, por isso hoje resolvemos mesmo aproveitar a oportunidade que a natureza nos trouxe!

Foi uma bela “aula” de estimulação auditiva e visual que consegui dar à Eva, pois para aprender, todas as oportunidades são boas! O que primeiro lhe prendeu a atenção foram as pingas mais grossas que caiam junto à nossa janela, mesmo próximas dos nossos olhos, penso que vindas dos beirais do prédio. Depois, o contraste com a chuva que ia caindo tão direitinha e de forma intensa para a nossa rua! Não sei se ela conseguia ver ainda a “levada” de água que corria junto ao passeio, em frente ao prédio, mas parecia que sim! Estava ela maravilhada e eu também, por toda aquela experiência visual que lhe pude proporcionar!

E o som? Não é que a cativou também?! Normalmente, ouvimos música clássica na aparelhagem ou no computador, pomos vídeos infantis no youtube ou na televisão, com dvd’s, mas hoje, poder ouvir sons reais foi algo maravilhoso! Ela parecia estar tão atenta! Ping, ping, ping… e inspirada pela doce melodia da chuva, lá comecei eu a trautear uma canção ao acaso, inventada, para a cachopa! Ela adorou! Ping, ping, ping! Permiti que ela me olhasse no rosto quando cantei para ela e não é que a atenção redobrou? Pois, ora nem mais! Os responsáveis eram os sons bilabiais, ou seja,  os sons que produzimos com os dois lábios quando estes se juntam, tão fáceis de notar quando o nosso bebé nos olha. O /p/ do “ping, ping “, de “papá” e de “pai”, tal como o /m/ de “mamá” e de “mãe”, são dos sons mais facilmente observáveis pelos nossos pequenos rebentos! O /b/ de “bebé” e de “baba” também é poderoso para os seus olhitos cheios de vontade de tudo ver e igualar! Se têm a sorte de ter um pequeno ser maravilhoso, sedento de gestos para imitar, estes sons são do melhor para os estimular, palavra de Terapeuta da Fala! E a Eva não foi exceção, porque adorou!

Que maravilhoso momento passámos! Cantámos, dançámos, partilhámos expriências e uma dose extra extra extra grande de miminhos! Voltei a lembrar-me de como é bom ouvir e ver a chuva lá fora, no conforto do nosso lar, quentinhos e sem uma gota de chuva em cima para nos resfriar! Hoje, para além de redescobrir este prazer (pois normalmente apanhava era as chuvadas nas corridas entre o trabalho!), descobri ainda como é tão bom poder partilhar estes momentos com a minha filha! Pois, quando a chuva cai lá fora, … a magia pode acontecer em nossa casa! E hoje, assim foi!