A Magia dos Gestos – “Baby Signs”

 

Já há cerca de 3 anos que descobrimos em família a magia dos gestos, através do programa Baby Signs. Foi pela mão de quem o trouxe a Portugal, a querida Sabla d’Oliveira, que o conhecemos. Desde há uns tempos que seguia a sua página no Facebook e, quando soube que viria dar formação a Coimbra, foi a loucura. Tivemos a felicidade de receber uma inscrição gratuita para o workshop de pais e desde logo ficámos rendidos. Na altura a Eva tinha sete meses! O workshop foi uma delicia, recheado de doçura e magia! Os bebés podiam circular livremente, podiam brincar e descobrir todo o espaço que tinha sido devidamente preparado para eles! Enquanto isso, nós, pais, íamos descobrindo alguns dos gestos, partilhando-os logo com eles. Logo começamos a por tudo em prática, assim que chegámos a casa. Persistência e dedicação são as palavras de ordem quando falamos desta abordagem. Certo é que, logo aos 8 meses, a pequena disse a primeira palavra. O primeiro gesto surgiu pouco tempo depois.

Durante vários dias e semanas íamos “rotulando” de gestos muitas das coisas que fazíamos, muitos dos objetos que nos iam passando pelas mãos, … o “comer”, o “beber”, o “gato”, o “coelho” da história, o “cão” do brinquedo, o “gosto de ti” que a toda a hora lhe diziamos e que ainda hoje é usado carinhosamente quando me despeço dela na janela de casa, mesmo que não a consiga ouvir… a “música” que púnhamos todos os dias e que a pequena adorava e adora,… e foi precisamente esse o primeiro gesto que fez! A magia aconteceu mesmo ante o nosso olhar! A sua motivação era a de ouvir música num dia em que não a tínhamos logo colocado, por isso foi ela mesmo que pediu, por iniciativa própria. Nem queríamos acreditar ao vê-la fazer o gesto. Ficámos loucos de alegria. Gravámos e enviámos à Sabla, que sempre vibra connosco e com estas pequenas vitórias. O vídeo chegou mesmo a ser partilhado no grupo secreto a que ficamos a pertencer, logo após a conclusão do workshop. Ali partilhamos conquistas, dúvidas, novos gestos que queiramos aprender, … temos todo o apoio e incentivo!

Ora, constatada que estava a eficácia do programa na minha vida pessoal, comecei também a aplicar as mais valias na vertente profissional, nas sessões de Terapia da Fala. Desde essa altura, em que fiz também o workshop para profissionais, que a magia chegou também às salas, com os “meus” meninos mais pequeninos. Ora, não é o gesto uma das primeiras abordagens que eles usam? Aquela que por vezes mantêm durante tanto tempo, levando por vezes a atrasos na fala? E se pudermos ter esses mesmos gestos, como base para a evolução da linguagem, como motor maior? Pois é, é isso mesmo que o programa “Baby Signs” preconiza. Ao contrário do que muitos papás e educadores receiam, não, o Baby Signs não contribui para o atraso do desenvolvimento da linguagem, deixando a criança presa a gestos, por mais e mais tempo. Não! O Baby Signs pega precisamente naquilo que a criança vai dominando, dando-lhe segurança nas suas partilhas, dando ênfase à sua iniciativa comunicativa. A par de tudo isso, a nossa missão de adultos, quer enquanto pais, quer enquanto profissionais (educadores, professores ou terapeutas) é mesmo a de ir dando novos gestos, novos estímulos. A par disso mesmo, o gesto é sempre acompanhado pela palavra. Assim, a estimulação da linguagem é conseguida. Seja nas interações quotidianas, em todos os contextos da criança, seja na leitura de uma história, ao cantar uma canção, em todas as brincadeiras, … qualquer iniciativa é ótima para transmitir mais e mais vocabulário. E depois? Depois… é só deixar a magia acontecer! Redução de birras, maior ligação entre pais e bebés, mais segurança emocional, … tanto, tanto, tanto que se ganha na relação com os mais pequenos!  Comprovada que está a eficácia deste programa a nível internacional, que mais esperam para o vir conhecer em Coimbra, pela mão da querida Tânia Dias?

Baby Signs

Pois, é verdade! A vida traz-nos estes presentes incríveis! A Tânia é uma amiga de outras andanças, também das que me apaixonam e me prendem mais um pouco do coração. Somos colegas do curso de CAM (Conselheiras em Aleitamento Materno)… partilhamos a paixão pela maternidade, pelo aleitamento, pelos bebés, pelas crianças e pelas conquistas bonitas! Mais uma vez, e ao fim de vários meses de preparação cuidada, juntamos esforços e trazemos a Coimbra a alegria e a dinâmica Baby Signs. Depois do sucesso do “Workshop Baby Signs de Natal”, no nosso “cantinho do coração”, teremos workshop de pais, já no dia 12 de Janeiro. A inscrição inclui a participação do casal e do bebé, apenas por 25€. Dias 16 e 23 de Janeiro, teremos em horário pós-laboral os níveis I e II para formação de profissionais. É educador e quer ser agente ativo na evolução da linguagem dos mais pequeninos? É terapeuta da fala e quer dar nova cor as sessões com os utentes mais novos? Temos preços especiais para inscrição conjunta nos níveis I e II! Falem connosco ou espreitem as paginas de Facebook. Esperamos por vocês… para que a magia continue a espalhar-se!

https://www.facebook.com/BabysignsTaniaDiasCoimbra/

https://www.babysigns.pt/team/tania-dias/

“Um passo à frente” – abordagem ao desenvolvimento da comunicação e da linguagem na infância

“Um passo à frente”, “a escada seguinte”, … sem querer, estes termos que vou usando no dia a dia, com educadores, com professores, com os próprios pais e utentes, … nos workshops, … vão ficando nas suas memórias e pensamento e começam a ser usados mesmo por eles próprios. Tão bom saber que absorvem a essência da ideia que lhes tento transmitir. Tão positivo quando sinto que os usam de forma correta e os aplicam na sua prática diária!

Esta é a minha forma de abordar a evolução e desenvolvimento da comunicação e da linguagem. Sim, pois comunicar é tanto mais que linguagem, e infelizmente nem sempre se dá valor a estes pequenos avanços que vão surgindo.

2

Uma bebé que chora, comunica! É a sua forma primordial de se afirmar perante o mundo, de manifestar as suas necessidades. É a mais primitiva e é universal. Depois movimenta-se, … curva o seu corpo perante a dor da cólica, … sorri ante rostos familiares como o dos pais, … emite pequenos gritos,… Em seguida chega a fase da lalação, do balbucio, … as primeiras palavras, … os gestos, o apontar, … tudo e tudo!!! Tudo isto é comunicar! Um fervilhar sem fim, ávido de estímulos e de quem lhes dê continuidade, … o combustível perfeito para que a linguagem emerja na sua forma mais complexa e funcional.

Estranho deve ser para os pais e educadores quando estes pequenos grandes sinais não se manifestam desde os primeiros dias, … cada qual dos comportamentos acima enunciados, sendo demonstrados quase sempre por esta ordem, durante o primeiro ano de vida. Mas nem sempre estes marcos do chorar, sorrir, palrar, … se sucedem assim, dentro do esperado pelos estudiosos do desenvolvimento da linguagem. Nem em todas as crianças a sua sequência é natural, necessitando estes pequenos aprendizes de maior apoio, estimulação e de maior envolvimento DO meio e COM o meio que os rodeia.

3

Costumo por isso mesmo, aos pais e educadores que me procuram, dar esta noção do “passo à frente”, tanto em casos de patologia ou atraso do desenvolvimento global, da comunicação, da linguagem ou outro, como mesmo em crianças com desenvolvimento dito típico. Sim, pois a estimulação é feita sempre com este princípio, seja em que idade ou em que caso for.

Se a criança sorri, devemos verbalizar “estás feliz?”, “gosto de ti!”, “gosto de estar contigo!”, “tu gostas de estar aqui comigo?”, .. devemos ser a voz das suas palavras enquanto ela própria não as consegue produzir. Assim, vamos dando rótulos aos sentimentos, às emoções, … aos objetos, aos acontecimentos, .. tudo, … desde o mais abstrato ao mais concreto do nosso mundo.

Depois começa a fase da lalação, do balbucio, … os pequenos sons, repetidos sem fim, … “mamamama”, … “papapapa”, … as suas variações “mamapa”, … “titipo”, .. E porque não imitar a criança, acrescentando sons? Porque não concretizar o “mamamama” como “mamã” ou o “papapapapa” como “papá”, quando estes lhe surgem ao alcance.

4

E com o apontar, porque não aproveitar para, também com ele, dar “voz” ao pensamento interior da criança, ainda incapaz de se manifestar em palavras? Não é por acaso que os programas de gestos infantis, tal como o Baby Signs que uso e amo de paixão, são eficazes! Claro, sempre acompanhados com o nosso “passo à frente”, ou seja, a linguagem! A criança gesticula e nós verbalizamos o que ela tenta transmitir pelo gesto, como que o “rotulando” e realizando em vocábulos.

E assim, esta sequência lógica, comum, … vai ganhando forma, até dar lugar à fala. Surge a primeira palavra, … mas aí, pensamos novamente já no próximo “passo à frente”: a combinação de palavras. “Mamã” pode ser um “anda mamã”, “gosto da mamã”. Um “pão” pode querer significar “quero pão”, “dá pão”, .. e assim, modelando aquilo em que a criança pode crescer em termos linguísticos estaremos sempre um “passo à frente”! Isto é motivar, é modelar, é estimular comunicação e linguagem, procurando o seu potencial máximo!

Depois devem chegar as frases cada vez mais complexas, e o nosso lema de “passo à frente” deve continuar sempre. O “quero pão” de outrora, pode ser agora um “quero pão com manteiga” ou um “quero comer pão e beber água”. O que hoje são conceitos concretos e palpáveis podem buscar o “passo à frente” com os conceitos abstratos, mais com o chegar dos três, quatro anos, …  “o pão é bom”, “o bolo é delicioso”!

Assim se busca o desenvolvimento máximo da comunicação e da linguagem, a base do pensamento, das vivências diárias, .. da interação social e de tudo o que ela acarreta. Assim se deveriam estimular as nossas crianças. Assim se poderia implementar e fazer no dia-a-dia, em todas as oportunidades de comunicação: nos momentos da alimentação, do vestir, do deitar, nos passeios ao parque (cada vez mais substituídos por horas nos tablets, para terror dos meus pensamentos e de tantos pais)… em tarefas de pintar, em brincadeiras com os triciclos e no meio da terra. Sim, elas também fazem (MUITA!!!!!) falta.

Growing up

Pais, educadores, professores, tios, avós, … todos temos este poder nas mãos. Vamos usá-lo em favor dos nosso pequenotes, … os que serão, pensando aqui também “um passo à frente”, os comunicadores, homens e mulheres do amanhã. Os que terão o destino na mão, … os que hoje, para já, nos deliciam e fazem sorrir, só por termos o privilégio de existirem nas nossas vidas.

Como entreter os mais pequenos em viagem… sem tablets nem telemóveis?

Para a maioria dos pais, ter que fazer viagens de carro ou outras, sobretudo viagens maiores, é sempre complicado, sobretudo quando se pensa em como entreter os mais pequenos! Muitas vezes são todas as coisas que temos de levar connosco, desde as mochilas com mudas de roupa, fraldas, babetes, comida, pequenos snacks e lanches, … e depois a viagem em si! Na maior parte das vezes vale o dvd do carro, os que se colocam à disposição dos miúdos mesmo que o carro não traga leitor de dvd de origem, … os telemóveis com jogos, …

criancas-carro

Mas, e se falassemos de alternativas que podem tornar as viagens ainda mais dinâmicas e divertidas para toda a família, fazendo com que os miúdos, para além de divertidos, vão a interagir connosco e ainda aprendam muitas coisas novas? Querem saber como fazemos cá por casa? Que recursos utilizamos? É disso mesmo que hoje vos quero falar! Aqui ficam algumas dicas que usamos nas nossas viagens, nas mais pequenas e nas maiores!

CD’s de Música

As canções são a melhor forma de entreter e interagir com os pequenos, em qualquer momento. Aprendemos novas canções, cantamos vezes sem conta as que já conhecemos, as que aprendemos na escola, com os amigos, … a Eva adora isto! Gosta de ouvir a Xana Toc Toc, as canções do Panda, … fica fascinada e quer cantar todas as letras! Sei que há outras crianças que preferem as Canções da Sónia, as Canções da Maria, … e as opções são tantas e tão variadas. Há para todos os gostos! E assim aprendemos mais sobre os animais, sobre as cores, os dias da semana, … os transportes, os contrários, … brincamos com as rimas e com as palavras, com os sons e com a magia dos trocadilhos feitos!

E mesmo que as canções não estejam nos cd’s, porque não entoarmos todos juntos? Um de nós às vezes começa uma canção e a pequena vai atrás! Outras vezes é ela mesmo que se lembra de alguma e vibra quando começamos a cantá-la todos juntos! 🙂

 

CD’s com Histórias

Esta é outra opção que não dispensamos! E temos vários com o tema. Alguns herdados da infância da tia-madrinha Sara, outros do meu trabalho com os mais pequenos, … Histórias tradicionais, histórias infantis variadas, … todas são um chamariz para a atenção da pequena. Gosta de as ouvir vezes sem conta! De antecipar o que vai acontecer, a personagem que vai surgir, a voz que irá fazer, … e assim incentivamos ao trabalho da memória, da interação entre as personagens, do conhecimento da narrativa e da sequência espacio-temporal. O que aconteceu primeiro? E depois, o que irá acontecer? Será a avó que come o lobo mau? Não!!!!! É o lobo que come a avozinha!!!!! E será que a Cinderela encontra o seu sapatinho!!! Sim!!! E casa com o principe! Como a Eva adora ir contando a história ao mesmo tempo! E se as narrativas tiverem músicas, canta-as também animadamente!!

images

Gosta particularmente das histórias da Carochinha, pois também temos o DVD! Em casa já as vimos, poucas vezes, mas as suficientes para se lembrar das personagens e dos acontecimentos quando apenas ouve a narração, nas viagens de carro. Adoramos também as histórias do cd da Audiolândia (audiolandia) ! Já conhecem? “Animais que me falaram”! É um CD adorável, com fábulas deliciosas, umas mais conhecidas que outras, mas todas de uma doçura e ensinamentos infinitos! A propósito delas, temos surpresas, … leiam o post até ao fim! 🙂 😉

CD’s interativos

Por falar em Audiolândia, em termos de CD’s interativos esta é a nossa escolha. Adivinhamos os sons dos animais, os sons do dia-a-dia, dos instrumentos, … respondemos a adivinhas e a perguntas sobre o que ouvimos, … haverá melhor forma de aprender e de entreter os pequenos? Sim, é verdade! Aqui trabalhamos com eles a competência de se concentrarem apenas no que é ouvido, nos estímulos sem a componente visual, algo que deve ser incentivado desde cedo. Nem só de imagens vive o conhecimento e as aprendizagens e esta é uma ótima forma de irmos treinando a memória, a imaginação e a capacidade de atenção dos nossos pequenos!

1

Conversas à solta

E que melhor que as conversas soltas, livres e despreocupadas? Que nos enriquecem e fortalecem os laços entre pais e filhos, que nos mostram que somos cúmplices e que partilhamos gostos e desejos? Conversas sobre tudo! Sobre o dia-a-dia, como correu a escola e o trabalho… como será o passeio que vamos dar, o que iremos ver, … o que gostávamos de visitar em breve, os locais que gostaríamos de conhecer, … tudo, tudo, tudo!

Uma viagem de carro, de comboio, de avião, … não precisa de ser algo complicado e desesperante! Pode ser animada e enriquecedora! Divertida e com tanto para aprender e partilhar! Quem aceita as nossas dicas? E quem quer ganhar os dois CD’s da Audiolândia? Pois é, temos um de cada para oferecer: o CD das histórias e O CD interativo com perguntas e adivinhas! O concurso decorre na página de facebook (Joana a terapeuta, e a mãe!). Participem! A nossa prendinha de natal este ano chega mais cedo! Boa sorte a todos!

 

 

O melhor aconchego…

O meu aconchego és tu, … és sem dúvida a melhor parte do meu dia, o meu porto-seguro! Bem sei que sou também o teu, pois sei a segurança que te transmite a minha presença e o meu colo, … mostras-me isso a cada momento, … Mas a tua presença também tem um efeito mágico em mim. É em ti que penso todo o dia, … és o motor que faz rodar a minha vida e a inspiração que preciso para os momentos mais complicados. Quando surge alguma adversidade, é por ti que tento ter força para a ultrapassar, pois sei que no final do dia a minha recompensa chegará!

Sim, bem sei que sou eu que te dou colo, … mas isso é apenas algo que a física explica, … seria impossível para as leís físicas seres tu a dar-me o teu colo, mas a verdade é que o fazes de uma maneira inexplicável. Sabes aqueles momentos em que te agarro e te dou um milhão de beijos com um micro segundo de diferença entre todos eles? Em que nem dá para os contar de tantos que são? Em que te deixo as bochechas rosadas de tantos afagos? É aí que tu me dás o teu colo, e é tão bom! 🙂

O melhor do mundo é acordar contigo e com o pai, … é ver o teu ar ensonado e frágil naquela cama que orgulhosamente partilhamos… é ver os teus olhitos pequenitos e cansados abrirem-se para o mundo na expetativa de mais um dia feliz e de brincadeiras puras. É levar-te à creche com o pai, descendo a ladeira e poder olhar-te, feliz, serena, plena de sentimentos doces e ternurentos, … é segurar a tua mão fria quando não nos deixas por “as Minnies”! É cobrir-te as orelhas com o gorro, quase até ficares com os olhos tapados, … é apertar-te o casaco até ao cimo do fecho e todos os botões possíveis e imaginários…

O meu aconchego és tu, … É  bom dormir ao teu lado e sentir as tuas mãos que procuram o meu rosto, … eu sou a tua segurança, mas tu és a minha, … és a força mais bela, … o presente mais magnífico que a vida me poderia ter dado. Faz hoje precisamente dois anos que soubemos que farias parte da nossa vida, … foi há dois anos que descobrimos que a nossa vida nunca mais seria a mesma e passaria a ser um turbilhão de emoções, … dois anos de uma sementinha que hoje virou menina, menina doce, menina feliz!

O meu aconchego és tu, … é a lareira da sala acesa, com os gatos deitados nas camas a “derreter” ao calor, … o meu aconchego é o sofá preenchido por ti, pelo pai… é a carpete onde nos deitamos e brincamos sem parar, … o meu aconchego são as tuas mãos pequeninas, … o teu coração enorme, .. o teu sorrisos sincero! Obrigada por fazeres parte das nossas vidas, … obrigada pelo calor que transmites aos meus dias e pelo sol que fazes brilhar na nossa casa, desde o dia em que soubemos que ias chegar! És linda, meu tesouro precioso! Fica sempre no nosso aconchego, pois ele é teu eternamente!