A Magia dos Gestos – “Baby Signs”

 

Já há cerca de 3 anos que descobrimos em família a magia dos gestos, através do programa Baby Signs. Foi pela mão de quem o trouxe a Portugal, a querida Sabla d’Oliveira, que o conhecemos. Desde há uns tempos que seguia a sua página no Facebook e, quando soube que viria dar formação a Coimbra, foi a loucura. Tivemos a felicidade de receber uma inscrição gratuita para o workshop de pais e desde logo ficámos rendidos. Na altura a Eva tinha sete meses! O workshop foi uma delicia, recheado de doçura e magia! Os bebés podiam circular livremente, podiam brincar e descobrir todo o espaço que tinha sido devidamente preparado para eles! Enquanto isso, nós, pais, íamos descobrindo alguns dos gestos, partilhando-os logo com eles. Logo começamos a por tudo em prática, assim que chegámos a casa. Persistência e dedicação são as palavras de ordem quando falamos desta abordagem. Certo é que, logo aos 8 meses, a pequena disse a primeira palavra. O primeiro gesto surgiu pouco tempo depois.

Durante vários dias e semanas íamos “rotulando” de gestos muitas das coisas que fazíamos, muitos dos objetos que nos iam passando pelas mãos, … o “comer”, o “beber”, o “gato”, o “coelho” da história, o “cão” do brinquedo, o “gosto de ti” que a toda a hora lhe diziamos e que ainda hoje é usado carinhosamente quando me despeço dela na janela de casa, mesmo que não a consiga ouvir… a “música” que púnhamos todos os dias e que a pequena adorava e adora,… e foi precisamente esse o primeiro gesto que fez! A magia aconteceu mesmo ante o nosso olhar! A sua motivação era a de ouvir música num dia em que não a tínhamos logo colocado, por isso foi ela mesmo que pediu, por iniciativa própria. Nem queríamos acreditar ao vê-la fazer o gesto. Ficámos loucos de alegria. Gravámos e enviámos à Sabla, que sempre vibra connosco e com estas pequenas vitórias. O vídeo chegou mesmo a ser partilhado no grupo secreto a que ficamos a pertencer, logo após a conclusão do workshop. Ali partilhamos conquistas, dúvidas, novos gestos que queiramos aprender, … temos todo o apoio e incentivo!

Ora, constatada que estava a eficácia do programa na minha vida pessoal, comecei também a aplicar as mais valias na vertente profissional, nas sessões de Terapia da Fala. Desde essa altura, em que fiz também o workshop para profissionais, que a magia chegou também às salas, com os “meus” meninos mais pequeninos. Ora, não é o gesto uma das primeiras abordagens que eles usam? Aquela que por vezes mantêm durante tanto tempo, levando por vezes a atrasos na fala? E se pudermos ter esses mesmos gestos, como base para a evolução da linguagem, como motor maior? Pois é, é isso mesmo que o programa “Baby Signs” preconiza. Ao contrário do que muitos papás e educadores receiam, não, o Baby Signs não contribui para o atraso do desenvolvimento da linguagem, deixando a criança presa a gestos, por mais e mais tempo. Não! O Baby Signs pega precisamente naquilo que a criança vai dominando, dando-lhe segurança nas suas partilhas, dando ênfase à sua iniciativa comunicativa. A par de tudo isso, a nossa missão de adultos, quer enquanto pais, quer enquanto profissionais (educadores, professores ou terapeutas) é mesmo a de ir dando novos gestos, novos estímulos. A par disso mesmo, o gesto é sempre acompanhado pela palavra. Assim, a estimulação da linguagem é conseguida. Seja nas interações quotidianas, em todos os contextos da criança, seja na leitura de uma história, ao cantar uma canção, em todas as brincadeiras, … qualquer iniciativa é ótima para transmitir mais e mais vocabulário. E depois? Depois… é só deixar a magia acontecer! Redução de birras, maior ligação entre pais e bebés, mais segurança emocional, … tanto, tanto, tanto que se ganha na relação com os mais pequenos!  Comprovada que está a eficácia deste programa a nível internacional, que mais esperam para o vir conhecer em Coimbra, pela mão da querida Tânia Dias?

Baby Signs

Pois, é verdade! A vida traz-nos estes presentes incríveis! A Tânia é uma amiga de outras andanças, também das que me apaixonam e me prendem mais um pouco do coração. Somos colegas do curso de CAM (Conselheiras em Aleitamento Materno)… partilhamos a paixão pela maternidade, pelo aleitamento, pelos bebés, pelas crianças e pelas conquistas bonitas! Mais uma vez, e ao fim de vários meses de preparação cuidada, juntamos esforços e trazemos a Coimbra a alegria e a dinâmica Baby Signs. Depois do sucesso do “Workshop Baby Signs de Natal”, no nosso “cantinho do coração”, teremos workshop de pais, já no dia 12 de Janeiro. A inscrição inclui a participação do casal e do bebé, apenas por 25€. Dias 16 e 23 de Janeiro, teremos em horário pós-laboral os níveis I e II para formação de profissionais. É educador e quer ser agente ativo na evolução da linguagem dos mais pequeninos? É terapeuta da fala e quer dar nova cor as sessões com os utentes mais novos? Temos preços especiais para inscrição conjunta nos níveis I e II! Falem connosco ou espreitem as paginas de Facebook. Esperamos por vocês… para que a magia continue a espalhar-se!

https://www.facebook.com/BabysignsTaniaDiasCoimbra/

https://www.babysigns.pt/team/tania-dias/

Natal simples, … fica o essencial!

Este ano o nosso Natal pautou-se por algumas ausências, … mas também por alegria infinita, pois a nossa Eva já sabe aproveitar tão bem a magia desta época. E quando digo que usufrui ao máximo é mesmo na verdadeira essência da quadra, no real significado que ela deveria assumir sempre.

Valoriza o estar, o ser, … o olhar, o observar! Derrete-se pelas luzes de Natal, pelos enfeites, … pára em cada recanto da rua, das lojas, observa as casas, .. na noite, até uma simples luz das antenas de telemóvel ou um semáforo ao longe merecem um sentido “oh, tão lindo!”. Tal é a felicidade em que anda envolta que todas as luzes lhe parecem mágicas e sem igual. E eu fico deliciada a olhar para ela, a observar aqueles risos felizes, ternurentos, sinceros, puros, … quem me dera ainda manter perante a vida esta contemplação da simplicidade que tanto a carateriza, às vezes tenho saudades. Pouco espera, tudo recebe! O brilho que transborda dos seus olhitos brilhantes enche-me o coração!

1

Não, aqui por casa não somos apologistas de muitos brinquedos nem da cultura do “ter” material. Não valorizamos a azáfama do comprar, do trocar as prendas, … primamos pela simplicidade, e felizmente estamos a conseguir, de forma natural, passar à nossa menina todo este verdadeiro sentimento da quadra natalícia. As prendinhas que foram chegando, foram sendo partilhadas com ela ao longo dos dias, … cada uma sendo valorizada particularmente, por si mesma, em cada serão. Na noite de Natal veio a tão esperada, a que ela tinha pedido ao Pai Natal: o Livro do Wall-E. Pequenos 6€ que valeram enormes sorrisos! “O Pai Natal fez mesmo a magia!” dizia ela. E fez, oh se fez! Nada mais importou, … ela queria era mostrar o livro a todos, partilhá-lo com quem a rodeava. Teve mais algumas prendinhas, que foi vendo curiosa, … mas sem o frenesim louco do consumismo e do querer mais e mais à medida que vinha cada embrulho. Sorria-lhes enternecida, e calmamente apreciava-as!

Ouviu-se a sineta do Pai Natal, tradição na casa da Bisa. A sineta tocou por debaixo do seu xaile enlutado, mas o seu rosto sorria. A pequena sorria com ela, feliz, sem saber do “segredo”! “É mesmo o pai Natal!”. Por isto, pela magia do ser simples, … quem me dera que fosse sempre Natal. Basta uma pequena gambiarra de luzes a piscar, … um livro, … um miminho, … e momentos em família! Natal é isto, … não precisa ser nada mais!

A música e as emoções… aos olhos da pequena Eva!

A quinta feira foi um dia de coração cheio, de muitas emoções, … de todo o tipo. Mas o serão não podia ter sido mais enriquecedor e ternurento. Fomos, pela primeira vez nestes dois anos e meio, a um concerto todos juntos. Tanto que o queríamos fazer há muito, mas infelizmente nem todos os locais o permitem! Desta vez, foi diferente.

Enviámos email ao TAGV (Teatro Académico de Gil Vicente) e logo nos permitiram a entrada da pequena, ainda que ficando ao colo. Nada contra, mais uns momentos de mimo, de colo e de ternura, que valeram por tudo. O concerto era pela paz, pelos direitos humanos… Coro Sinfónico Inês de Castro! Majestosos espetáculo, com todo o mérito aos intervenientes. Há muito que não me deixava assim levar pela emoção da música, pelo som, pelas intensidades, pela harmonia das vozes e o seu entrelaçar feliz com todos os instrumentos, … durante tanto tempo foi ali que cresci! No meio do coro, das orquestras, dos festivais da canção infantis da escola de música que frequentei durante quase vinte anos, … o burburinho do palco, o nervoso miudinho, o peso da responsabilidade e o prazer dos momentos de apresentação ao grande público. Que saudades de todo aquele frenesim!!!

Várias vezes me arrepiei, quer pelo tema, quer pelas lembranças felizes de uma infância e juventudes passadas no meio da música e de todos os seus afazeres felizes. Sou grata a esta educação que tive, … a este caminho que tracei.. a todos com quem me cruzei. Saber que hoje posso partilhar isso com a Eva deixa-me ainda de coração mais aquecido!

E ela vibrou! Delirou com tudo! Os sons, as pessoas, os instrumentos, as imagens que passavam num ecrã, no grande palco. Os olhos enchiam-se depressa de mais, ela queria absorver tudo: cada som, cada passo, cada vez que os solistas se abeiravam da frente do palco, os movimentos do maestro… Sinalizava com expressões faciais e corporais fortes cada mudança de andamento e cada intensidade mais forte, sobretudo da percussão e dos metais. Estava rendida … uma estimulação variada, mas tão harmoniosa, que lhe tomou conta dos sentidos durante cerca de uma hora e meia, uma hora e meia grandiosa, de tanto para contar!

Estava petrificada, com olhar atento e quase nem pestanejava. Colheu cada emoção, verbalizou isso tantas vezes! “Tenho medo mamã e papá!”. E via-a olhar com compaixão para as crianças que o vídeo ia mostrando… aquelas que, como lhe dissemos, eram “os meninos que não tinham comida”, como tantas vezes a alertamos.

E foi assim, do início ao fim, sem desligar daquela nova realidade, sempre reagindo aos medos, aos momentos mais serenos, que o concerto chegou ao fim. Teve magia,… a magia do nosso primeiro concerto “à seria”! A magia de um momento magnífico em família, … que prazer ver a satisfação no seu olhar, nos olhos do pai que a teve quase sempre ao colo vivendo tudo isto ainda mais intensamente.

Obrigada filha, … contigo, tudo se torna ainda mais especial!

A Carta da Eva!

Como prometido no texto anterior, aqui fica a partilha com a carta que a pequena Eva, com a minha ajuda, endereçou ao Pai Natal!

“Coimbra, 15 de Dezembro de 2016

Olá querido Pai Natal!

O meu nome é Eva Carvalho Amaral e tenho apenas 4 meses! Ainda estou a aprender a compreender o Natal mas, da pouca experiência que tenho, gosto muito de toda esta magia! Adoro as luzes cintilantes, os enfeites e as cores, … as músicas e a alegria! A minha mãe já te escrevia em pequenina e está a ajudar-me agora a mim! Diz-me que temos que ser gentis e atenciosos, não só agora, mas em todas as épocas do ano, por isso, eu cá vou aprendendo. Tenho sido uma ótima menina e por isso mereço cada beijinho e abraço apertado que recebo a toda a hora dos meus pais. Não te peço nada material, ainda não dou valor a isso, … adoro miminhos e isso já me faz muito feliz!

Despeço-me com amizade e desejo-te um Santo e Feliz Natal!

Eva”

E cá está ela! Tal como vos segredei no texto anterior, foi endereçada ao “Pai Natal dos CTT-Pólo Norte”, num envelope mesmo sem selo! Vamos ver o que nos reserva o início do mês de Janeiro!

E pronto, tudo preparado para uma das noites mais bonitas do ano! Que comece! Que não se percam os laços e o sentimento! Perca-se apenas a conta aos sorrisos e aos abraços! É este o espírito a que dou valor e que quero passar à Eva! Os cheiros, as luzes, as cores, os sabores… tudo isso a enriquece! Por isso mesmo temos passeado com o ovo de transporte “sem capota” pelas ruas e pelas lojas! A Eva absorve já toda esta alegria! Que hoje, ainda mais, o aconchego de todos os colos lhe mostre o que é o amor e o verdadeiro sentido do Natal! Só assim vale a pena!

Boas festas… e que venha a noite mágica!

Segredos de Natal

Já há algum tempo que ando para publicar este texto, mas o pouco tempo que tenho tido, fruto de tudo o que já é habitual no dia-a-dia (trabalho, cuidar da casa, da Eva, …), a juntar aos afazeres próprios desta época, não me tem deixado muito tempo livre! E assim é, são precisamente 5:38 da manhã de sexta-feira e estou eu, de volta do computador, a deixar-vos aqui uma pequena mensagem de natal com alguns segredos que penso que poderão dar ainda mais cor e brilho ao vosso natal, bem como ao dos mais pequeninos!

Este Natal, para mim, é especial. O do ano anterior foi memorável, pois confirmámos que a Eva vinha mesmo a caminho e demos a notícia aos familiares mais chegados, como já vos tinha contado. Mas este ano, o sabor é ainda mais docinho e ternurento, pois é o primeiro Natal que a Eva passa connosco, ao nosso colo, brindando-nos com o seu sorriso mágico, capaz de sarar qualquer mágoa dos dias que vão correndo!

Desde que perdi a minha estrelinha há uns anos atrás que o Natal tem tido um gosto mais amargo, marcado pela solidão e pela tristeza. Por isso, desta vez, quero mesmo recuperar a alegria que tinha em viver o Natal. E sabem que mais? Sinto-me como uma miúda, com os seus 5 ou 6 anos, expectante em relação à noite de Natal! Quase que me apetece, na tarde do dia 24, voltar a dormir a sesta só para que o Pai-Natal possa vir à vontade! Sempre foi assim em casa dos meus pais!

Quis que a Eva entrasse neste espírito natalício e, por isso, este ano, pela primeira vez cá em casa fizemos uma árvore de natal, com tudo a que há direito: luzes, bolas, enfeites variados… A Eva delira com toda esta magia e felizmente o Trilo, o nosso gato, o responsável por nunca termos feito a tentativa de ter uma árvore, tem-se portado à altura. Ora, se a árvore cá de casa, modesta em tamanho, faz as delícias da pequena, é vê-la em êxtase em locais públicos onde as luzes cintilantes são apanágio, rainhas de cada recanto! Os pequenos olhitos da Eva não lhe fazem a vontade em satisfazer tanta curiosidade. E assim, aos poucos, a beleza do Natal volta a erguer-se perante os nossos olhos. Hoje mesmo estaremos reunidos com a família e isso torna tudo ainda mais gracioso.

Deixo-vos ainda mais um pequeno segredo, que penso que vão a tempo de pôr em prática, hoje ou amanhã: a escrita da carta ao pai Natal! Sim, a Eva também já enviou a dela! Amanhã partilhamos com vocês o que ela quis dizer ao simpático velhote das barbas brancas. Mas, afinal, qual é o segredo, se todas as crianças gostam de escrever umas letras pedindo o que lhes vai no imaginário? É que, se depois colocarmos a carta num envelope e a dirigir-mos, mesmo sem selo, ao “Pai Natal dos CTT – Pólo Norte”, lá pelos meados de Janeiro, os mais novos recebem uma pequena lembrança dos correios: uma carta juntamente com um miminho (em anos anteriores já foram postais, jogos para recortar, …). Se este ano não mudar nada, não custa tentar, para fazer os nossos pequenos sorrir ainda com mais luz!

Fica a promessa, amanhã mostrou a cartinha da Eva! 🙂