Natais de ontem… Natais de hoje!

Por mais que os anos passem, a magia do Natal não se perde, … seja ela focada em que pormenor seja. De uma forma ou de outra, Natal é sempre sinónimo de estar em família, seja ela composta por dois, três elementos, ..vinte, cinquenta… o importante é estar, é sentir!

Não, não sinto que a magia se perca com a idade, … de uma forma ou de outra, ela vai-se transformando, é apenas isso que sinto. Há uns anos atrás, especial era a sesta que fazia a meio da tarde, … sem ela o Menino Jesus e o Pai Natal não vinham lá a casa! Enquanto isso, na cozinha, a azáfama da minha mãe e da minha avó era para porem o bacalhau, as batata e as couves na panela. Para fazerem a sopa de Natal, com o pão deixado no final, bem abafadinho! Que saudades desse petisco! Ainda hoje, seja onde for, por mais simples que seja o migar de pão na sopa, que não costumo fazer por norma, mas que de quando em vez faço para relembrar cheiros e momentos de outros tempos, .. é sempre a “sopa de Natal” que me vem à memória!

Com os anos perderam-se pessoas especiais, … umas que permanecem no pensamento e no coração, … outras que se foram de vez! Umas que foram por decisão da vida, … outras que tomaram a decisão da sua vida, … Cada uma delas ocupa o devido lugar no meu pensamento e coração! Umas foram pela força dos tempos, … outras escolheram ficar! Outras chegaram, felizmente! Com elas trouxeram nova luz, novas gentes, novas tradições, momentos, gargalhadas e sentires. Obrigada Carlos, por tudo o que acrescentas em mim! Outras nascem e chegam carregadas de energia positiva, de luz verdadeira e doce… minha Eva, quão doce e perfumada é a vida contigo!

Hoje, os natais são mais conscientes! Sei perfeitamente onde e com quem quero estar! Sei realmente quem quer estar perto. O Natal deste ano ganhou uma magia nova… não melhor que a de antes, mas ganhou um novo sentido… um novo vínculo de família. Pela primeira vez conseguimos reunir na mesma mesa as pessoas que em anos anteriores ficavam amigavelmente “cá” e “lá”! E nós, que antes andávamos “cá” e “lá”, porque queríamos estar com as famílias “dos dois lados”, este ano conseguimos juntar “a família”! E fez tanto sentido! Pois a realidade é que é assim que a vivemos!

Não, … o Natal de ontem não teve o programa de espetáculos que antes fazia, … a família cá em casa tinha direito a Sarau de Natal… eu cantava, dançava, tocava órgão, flauta, … e oferecia mesmo um programa escrito, como mandava a tradição! Tinha magia à sua maneira. Mas ontem, a estrela da festa foi a nossa pequena. Também ela canta, dança, sorri, … e assim vamos ganhando novas tradições! O soar da sineta do pai natal, … o descobrir em que lado as badaladas soaram e saber que porta deveriamos abrir para descobrir um novo presente… a vontade em estar connosco, em partilhar aquele livro especial, aquele jogo que lhe prendeu o olhar! Minha Eva… tão feliz que és, … tanto que temos a aprender contigo!

Sem dúvida, … a magia continua a acontecer, … ela perdura no tempo… molda-se aos novos tempos, aos desafios que nos chegam! Melhor? Pior? Não sei, … alegre e feliz foi, certamente! Que mais anos assim venham… nada mais posso pedir! Boas festas a todos… acima de tudo, que nunca se perca esta essência! Natal sem consumismo, … Natal da Família… o Natal do Estar, do Dar-se, … apenas e só isso, nada mais!

Dias difíceis e princípios para a vida!

Os últimos dias têm sido difíceis e particularmente assustadores, … basta ligar a televisão, abrir uma qualquer rede social ou olhar para uma banca de jornais, .. o pânico e o pavor do olhar de pessoas em desespero preenche cada página e cada ecrã, …

A pequena não parece ficar indiferente e aponta a televisão cada vez que surgem as notícias, … as pessoas que falam em pânico, os pedidos aflitos de auxilio e os desabafos de quem perdeu tudo, ou quase tudo o que tinha, … penso várias vezes em desligar a televisão, mas a verdade é que não quero criar uma filha num “mundo perfeito”, pois sei bem que o nosso está longe, muito longe, de o ser. Assim, deixo-a ter contato com todas as notícias e intervenientes, e vou falando com ela, … sei que pouco pode perceber, mas espero criar nela todo o altruísmo, solidariedade e sentimentos positivos que conseguir, … espero que mais tarde, todos eles se reflitam na sua vida.

Numa linguagem simples e minimalista, tento explicar-lhe que as pessoas estão tristes, .. que ficaram sem as suas casas e a sua comida, … sem os seus animais do coração e os sítios onde foram felizes, … que perderam, muitas delas, quem lhes dava os beijos de bom dia e tornava os seus serões em famílias mais repletos de luz. Por vezes, a Eva olha-me, nem sei bem se me questionando, se pedindo-me que continue, … se sentindo tudo o que lhe digo, da sua forma tão simples e ternurenta, …

“Sabes? Hoje a mamã comprou algumas coisas para ajudar aquelas pessoas e aqueles animais, … não é muito, é o que podemos, … espero que todos consigam dar nem que seja um pouquinho, …”. Que os valores nobres te persigam sempre minha filha, … tentamos deixar-te o melhor exemplo que conseguimos, …

E para todos os que passam por este “inferno na terra”, deixo as minhas palavras de força, coragem e gratidão. Força a todos quantos continuam a tentar por fim a este pesadelo. Coragem aos que vão ter que recomeçar do zero, ou perto disso, muitos deles sem alguns dos seus entes-queridos…Gratidão a todos quantos deixaram de contar os dias e as noites, e desde sábado apenas vivem em função do outro, … é pena que apenas na dor se faça jus à solidariedade e bons valores do povo-português (na sua maioria), mas que se tire de situações assim ensinamentos para uma vida mais luminosa e em harmonia, uns com os outros e com a natureza que nos rodeia. Esta sim, não para de mostrar o seu poder, … haverá ainda alguém que dele desconfie! As provas estão por todo o lado…